Anatel exige 'total desvinculação' entre Vivo e TIM

Agência estabeleceu restrições para o negócio entre Telefónica e Telecom Itália para preservar a concorrência

GERUSA MARQUES, Agencia Estado

23 de outubro de 2007 | 18h14

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) confirmou nesta terça-feira, 23, a aprovação da compra de fatia da Telecom Itália por um consócio formado pela Telefónica e bancos italianos. O conselho diretor da agência estabeleceu 28 restrições para o negócio e exigiu também que, no prazo de seis meses, a Telefónica e a TI apresentem um novo acordo de acionistas que garanta "total desvinculação" entre as operações da empresa de telefonia celular Vivo (controlada pela espanhola Telefónica) e as da TIM Brasil, que pertence ao grupo italiano.  Veja também:    Telefónica pode ser obrigada a vender unidade no Brasil    Anatel aprova compra da Telemig Celular pela Vivo Segundo o conselheiro Antonio Bedran, relator do processo, Vivo e TIM terão que manter administrações independentes e cada empresa terá que ter a sua diretoria e o seu conselho de administração. A Anatel ainda vai avaliar em 15 dias o ato de concentração do negócio. Por meio desse instrumento, a agência vai instruir a análise do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre a operação.   Bedran disse ainda que as restrições determinadas à compra de fatia da Telecom Itália pela Telefónica e um consórcio de bancos italianos preserva a concorrência no serviço de telefonia no Brasil. A Telefónica e a Telecom Itália controlam as duas maiores empresas de telefonia celular do País, a Vivo e a Tim, que somam 53% de participação do mercado. "Cada empresa tem seu market share, seu plano de negócio e regras próprias. Não estamos permitindo fusão, coligação ou qualquer forma de acordo operacional", disse Bedran.   Segundo ele, se a Anatel perceber que houve qualquer desvio nas restrições impostas pela agência, vai "tomar providências para coibir excessos e medidas predatórias". Ele disse que a Anatel analisou o contrato fechado na Europa entre as duas empresas e constatou que a Telefónica não tem controle acionário sobre a Telecom Itália, já que a participação da companhia espanhola no grupo italiano está restrita a 8,3%. Pelas regras brasileiras, o controle se configura com uma participação acima de 19,9%.   O conselheiro disse que o órgão, ao exigir a modificação no acordo de acionistas entre as empresas, quer evitar que ocorra algum tipo de controle nas decisões que se referem ao Brasil.   Texto ampliado às 18h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.