Anatel mantém venda suspensa

Empresa deve entregar hoje plano para o Speedy

Gerusa Marques, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

26 de junho de 2009 | 00h00

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) manteve ontem a proibição da venda de assinaturas da banda larga Speddy pela Telefônica até que a empresa consiga garantir a qualidade do serviço. O conselho diretor da agência rejeitou o pedido feito pela empresa para suspender a determinação. A Anatel, no entanto, favoreceu a empresa ao decidir que a proibição só passou a valer a partir de zero hora da última terça-feira, livrando a operadora de uma multa por ter continuado a vender o serviço na segunda-feira.  Veja também:  Cliente recebe centavos por pane do Speedy Sindicatos temem demissões com suspensão do Speedy A proibição da venda foi decidida pelo Conselho Diretor da Anatel no dia 19 deste mês e publicada no Diário Oficial da União na segunda-feira. Como a Anatel não havia deixado claro a partir de que momento a proibição passaria a valer, a Telefônica defendeu a tese de que o efeito da suspensão da venda só valeria quando fosse notificada oficialmente, o que ocorreu às 18 horas de segunda-feira. Se a operadora desobedecer à proibição, está sujeita a uma multa de R$ 15 milhões, mais R$ 1 mil por acesso comercializado. Em nota divulgada ontem, a Anatel acrescenta que a suspensão da comercialização do Speedy teve o objetivo de preservar os atuais clientes do serviço, "pois a ampliação da sua base de assinantes aumentaria o volume de tráfego com risco de ampliar a vulnerabilidade e a instabilidade da rede". A rede de banda larga da Telefônica passou por quatro panes nos últimos 12 meses. Hoje, o presidente da Telefônica, Antonio Carlos Valente, apresentará ao presidente da Anatel, Ronaldo Sardenberg, o plano da empresa para retomar as vendas. A Anatel exigiu que a empresa apresentasse um cronograma de metas para garantir a prestação dos serviços. Para Ronaldo Sardenberg, o "compromisso" da Telefônica de cumprir as determinações da Anatel "é um passo positivo no sentido de solucionar as questões atuais e prevenir problemas futuros".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.