Anbid: fundos perdem recursos

Dados da Associação Nacional de Bancos de Investimento (Anbid) revelam que os fundos de investimento estão perdendo recursos, com exceção dos fundos de ações e multiportfólio. Até o dia 14 de setembro, a maior saída foi registrada pelos fundos DI ou pós-fixados - que acompanham as taxas de juros. O total foi de R$ 1,773 bilhão. No caso dos fundos de renda fixa prefixados, R$ 239,88 milhões deixaram esse tipo de investimento. Já os fundos cambiais registraram saída de R$ 42,96 milhões. Os fundos de ações seguem captando recursos desde o início do mês. Os dados da Anbid mostram que, até o dia 13 de setembro, a entrada líquida foi de R$ 60 milhões. Os fundos multiportfólio, compostos por ativos de renda fixa e renda variável, acumulam entrada de R$ 29,48 milhões. Cenário para os investimentos Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) reúne-se para reavaliar a taxa básica de juros - Selic. Com as incertezas em relação ao preço do petróleo, a maioria dos analistas acredita em manutenção dos juros em 16,5% ao mês, com viés neutro, ou seja, sem possibilidade de aumento ou redução da taxa antes da próxima reunião do Comitê. Para o investidor, esse cenário deverá reduzir a possibilidade de ganho para os fundos de renda fixa prefixados. Porém, o rendimento de cada fundo desse segmento vai depender da "duration" dos papéis que compõem a aplicação, ou seja, o período de vencimento dos títulos alocados na carteira do fundo. Quanto mais longo o prazo, maiores as chances de ganho. Mas o risco também é maior, já que o cenário econômico pode apresentar alterações e a tendência para os juros pode se alterar. Para o mercado acionário, as perspectivas continuam positivas a médio prazo. Com a confirmação do recuo da inflação, as chances para novos cortes da taxa de juros ficam mais prováveis. Porém, a falta de recursos novos e a instabilidade do preço do petróleo deixam os investidores menos otimistas. Isso pode provocar uma saída maior de recursos do mercado acionário, o que deixa o desempenho das ações ainda mais prejudicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.