Anbid: fundos Vale têm rendimento de até 63%

Os fundos de investimento da Companhia Vale do Rio Doce trouxeram a melhor rentabilidade do ano. Os com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) tiveram ganho de 14,58% no mês e de 59,50% em 2002; os com recursos próprios, de 14,80% e de 63,53%. Os de migração de fundos Petrobrás valorizaram-se 14,34% e de 52,24%, respectivamente. Os dados são do relatório da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid) e são referentes ao dia 24 de setembro. De acordo com estudo da Economática, as ações da Vale foram as que mais subiram no ano, com alta de 56,8%.Na próxima segunda-feira, quem investiu nos fundos Vale poderá resgatar seus recursos ou transferi-los para outros fundos de ações sem perder o desconto de 5% estipulado pelo governo na oferta pública dos papéis. Portanto, quem investiu seus próprios recursos na carteira não terá mais restrições para saques ou migrações de recursos.Já o investidor que comprou cotas com recursos do FGTS terá de seguir as regras normais dos saques desse dinheiro - demissão sem justa causa, doença grave, compra de casa própria, aposentadoria etc. - ou transferir seus recursos para fundos Petrobrás ou Carteira Livre - que aplicam parte do saldo em renda fixa e parte em ações. Vale lembrar que ele pode optar por transferir todo o dinheiro de sua carteira ou apenas parte dele, mantendo o restante de seus recursos no fundo Vale.Uma terceira opção que esse investidor tem é devolver esses recursos para sua conta do FGTS, mas essa alternativa só será permitida se ele mantiver o dinheiro na carteira até março de 2003, quando a aplicação completar um ano. Essa regra não é da oferta pública das ações, e sim da Caixa Econômica Federal, administradora das contas do FGTS.Tendência de saques se mantémQuanto aos fundos em geral, a tendência de saques continua. Em setembro, a saída líquida de recursos é de R$ 3,0 bilhões, com R$ 395 milhões só no dia 24. No ano, os saques líquidos são de R$ 57,3 bilhões. A boa notícia do mês é que os fundos de renda fixa (prefixados) continuam com sua captação líquida diária. No dia 24 ela foi de R$ 232 milhões.Apesar desses depósitos, em setembro esses fundos ainda registram uma maior saída de recursos, na ordem de R$ 215 milhões. No ano, a fuga líquida de capitais dessa carteira é de R$ 17,2 bilhões. Os fundos DI registraram saques líquidos no dia 24, embora eles tenham sido baixos, de R$ 1,7 milhão. No mês, a saída de recursos é de R$ 907 milhões e, no ano, de 24,9 bilhões.RentabilidadeOs únicos fundos a superar os Vale em setembro foram os cambiais, que buscam acompanhar a variação da moeda norte-americana. No mês eles renderam 18,84% e, no ano, 49,67%.os fundos DI (pós-fixados) tiveram alta de 1,18% em setembro e de 11,35% em 2002 e os de renda fixa, de 1,14% e de 10,41%; respectivamente.Os outros fundos de ações registraram quedas. Os Ibovespa, que buscam acompanhar a o Ibovespa - índice que mede a variação das ações mais negociadas da Bolsa -, caíram 11,89% no mês e 32,33% em 2002. Os fundos setoriais, que investem em ações de um determinado segmento da indústria, tiveram baixa de 11,29% (telecomunicações) e de 11,96% (energia) em setembro e de 33,85% e de 28,54% no ano, respectivamente.Os fundos Petrobrás, que até a metade do mês estavam com uma alta mais forte que os Vale, inverteram a tendência e agora estão em queda. No dia 24 as baixas eram de 4,30% (FGTS) e de 4,49% (recursos próprios). No ano, as quedas são de 9,16% e de 9,95%; respectivamente.Veja, nos links abaixo, matérias sobre fundos de investimento e sobre as mudanças na marcação. E não deixe de ver também as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.