Anbid: investidor que saiu de fundos perdeu

O vice-presidente da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid), Marcelo Giufrida, disse que quem deixou os fundos de investimento no fim de maio e direcionou seus recursos para a caderneta de poupança perdeu dinheiro. Ele observou que os fundos de renda fixa DI tiveram uma rentabilidade líqüida (após impostos) em junho de 0,83% contra 0,66% da caderneta de poupança. Além disso, o investidor na operação de transferência pagou a CPMF de 0,38%.Giufrida afirmou que as retiradas que ocorreram nos fundos não foram as primeiras e nem as maiores. Os fundos tiveram retiradas de 6% do patrimônio, enquanto no período da crise da Ásia, em novembro de 1997, essas retiradas alcançaram 6,8% do patrimônio e 7,4% na crise da Rússia, em outubro de 1998.De acordo com ele, está havendo uma redução no processo de saques de recursos. O resgate líqüido nos primeiros cinco dias de julho alcançou R$ 5,7 bilhões contra R$ 25,7 bilhões nos últimos 30 dias. O patrimônio da indústria de fundos em 5 de julho alcançou R$ 334,2 bilhões.Giufrida afirmou também que o dinheiro que saiu dos fundos não foi direcionado totalmente para as cadernetas de poupança. Ele observou que em junho o crescimento da captação líqüida das cadernetas foi mais por uma retração nos resgates do que um aumento nos depósitos.Alfredo Setubal, vice-presidente do Banco Itaú, disse que em sua instituição não houve saída de recursos, mas sim uma movimentação de fundos para a conta corrente, certificado de depósito bancário, caderneta de poupança e recibo de depósito bancário.Apesar do rendimento menor da caderneta de poupança, o investidor preferiu esse investimento aos fundos DI pela segurança que aquelas oferecem. Ao contrário dos DI, a Poupança não apresenta possibilidade de queda. Leia, nos links abaixo, matéria sobre a fuga de capitais dos fundos de investimento e cartilha com dicas de investimento e análise de carteiras de acordo com o perfil do investidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.