Anbid não quer alta do IR para fundos de ações

A Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid) vai pedir ao governo que mantenha a tributação do Imposto de Renda (IR) sobre os fundos de ações em 10%. Pela lei atual, o IR vai subir para 20% a partir de 2002. A informação foi dada hoje (17) pelo presidente da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid), Edmar Bacha. O pleito da associação, que será levado ao governo "nos próximos meses", sugere manter inalterada a atual tributação.O argumento da Anbid é que o governo poderá ver frustada sua estratégia de pulverizar as aplicações no mercado de ações, caso ocorra a elevação na tributação do imposto de renda. Dados da Anbid mostram que apenas R$ 7 bilhões dos R$ 300 bilhões aplicados na industria de fundos representam as aplicações de pequenos investidores em fundos de ações.Segundo Bacha, esse percentual, que já é pequeno, pode encolher ainda mais, caso seja confirmada a nova alta da alíquota de IR. Bacha lembrou também que o fluxo de recursos externos ainda não voltou ao País porque o investidor estrangeiro está muito avesso ao risco. "O investidor estrangeiro viu que o apetite por mercados emergentes, como o Brasil, era ilusório", disse.

Agencia Estado,

17 de abril de 2001 | 19h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.