Anbid quer incentivar mercado de capitais

A Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid) terá um papel atuante para dar maiores garantias ao público investidor no mercado de capitais e para intermediar o uso dos recursos da poupança privada para investimentos, inclusive de longo prazo. O presidente eleito da entidade, o economista Edmar Bacha, um dos pais do Plano Real, disse que "o Brasil precisa aumentar a sua taxa de investimento de 19% para 22% do PIB (Produto Interno Bruto) para garantir um crescimento entre 5% e 6% ao ano". Bacha garantiu à Agência Estado que a Anbid vai contribuir para isso.De acordo com Bacha, é possível atingir esta taxa de investimento de 22% em 2003 se o governo continuar mantendo o ritmo de ajuste fiscal. De sua parte, a Anbid vai procurar ajudar no aumento da poupança privada pelo desenvolvimento do mercado de capitais e aprofundando a sua auto-regulamentação. Para isso, já foram aprovadas a criação de duas comissões especiais que devem acompanhar Bacha em seus dois anos de mandato - uma voltada para o desenvolvimento de mercado de capitais e outra para a auto-regulamentação.Auto-regulamentaçãoO objetivo da auto-regulamentação, segundo Bacha, é de aumentar a confiança do investidor no mercado de capitais dando garantias da qualidade do seu investimento. Uma amostra do tipo de medida para isso é o selo de qualidade criado pela entidade para administradores de recursos que seguirem o código de conduta da Anbid, dando informações para os investidores e respeitando o perfil de cada fundo, por exemplo.A intermediação dos recursos da poupança privada para os investimentos também é importante, ressaltou Bacha. As comissões também vão estudar a repartição de atribuições entre a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Anbid. Para isso, vão observar, por exemplo, a relação entre suas equivalentes nos Estados Unidos, a Securities Exchange Comission (SEC) e a National Association of Securities Dealers (Nasd), respectivamente.Os trabalhos sobre a divisão de funções com a CVM vão considerar, inclusive, os custos envolvidos. "Posso assegurar que a última coisa que queremos é aumentar os custos e não vamos fazer com que os agentes econômicos tenham que pagar uma taxa para a CVM e outra para a Anbid", disse Bacha.SeloA declaração nega avanços na proposta de criação de um selo de qualidade da Anbid para acelerar a autorização pela CVM para emissão de debêntures. A proposta partiu da CVM. O presidente eleito da Anbid disse também que a redução da CPMF e do IOF aumentariam a capacidade de poupança do setor privado. Edmar Bacha se manifestou favorável ao projeto de lei que muda a Lei das S.As., para dar mais garantias ao investidor minoritário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.