Andima cria projeto para ampliar liquidez de mercado

A Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro (Andima) quer melhorar a transparência e a divulgação de informações sobre opções de investimento e criar referências de preço de mercado, com o objetivo final de aumentar a segurança dos investidores e a liquidez. "Os fundos de pensão só estão operando com o Tesouro Nacional, estão praticamente fora do mercado", disse à Agência Estado o superintendente geral da Andima, Paulo Eduardo de Souza Sampaio. Ele explicou que a primeira fase do projeto, para títulos públicos, deve entrar em operação em agosto.O projeto já foi encaminhado na última quinta-feira para a Comissão de Tesouraria da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e para a Comissão Técnica Nacional de Investimentos da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp). Também teve acesso aos documentos o diretor de Análise de Investimento da Secretaria de Previdência Complementar (SPC) do Ministério da Previdência, Ricardo Pena, que participou da reunião com a Abrapp e, na sexta-feira, para técnicos da Superintendência de Seguros Privados (Susep). De acordo com Sampaio, questionamentos a operações de fundos de pensão nas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) e a falta de parâmetros de mercado trazem insegurança a administradores de fundos e outros investidores, reduzindo a liquidez. "A crise de liquidez de maio seria menor se os fundos de pensão estivessem participando mais do mercado", explicou.Na parte inicial, com a colaboração do Banco Central (BC), a Andima disponibilizará em tempo real as informações das operações com títulos públicos registradas no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) junto com outras informações. Divulgará, por exemplo, de manhã e à tarde um intervalo de preços indicativos mínimo e máximo a partir dos praticados no mercado, pelo tipo de papel e data de vencimento. Serão informados não só preços indicativos mas também fórmulas de cálculo utilizadas.Sampaio afirmou ter conversado com a Câmara de Liquidação e Custódia (Cetip) e, a partir do ano que vem, as informações de títulos privados seriam integradas a esse sistema.Segunda fase A segunda fase é a de uma eventual adoção de "túneis de preço", máximo e mínimo, com uma nova metodologia que estabelece pesos de acordo com a volatilidade recente dos ativos. "Estamos estudando essa metodologia para ver se é válida. Se for, vamos passar para o terceiro momento, no ano que vem, de construir túneis de preço intradia (em um mesmo dia) e em que as operações que estão fora do intervalo seriam marcadas como estando eventualmente fora de preço", explicou. De acordo com ele, o Comitê de Ética da Andima poderia ser acionado pelas partes para examinar e chancelar ou não uma determinada operação, que pode estar no preço do mercado apenas de estar fora do intervalo do dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.