Andima reduz projeção para Selic em 2003

Economistas de 20 instituições financeiras ligadas à Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto (Andima) reduziram a projeção da Selic, a taxa básica de juros da economia, para 18,6% no final deste ano ? atualmente, a taxa está em 22% ao ano. Segundo a Associação, a taxa média para este ano deve oscilar em 23,7% ao ano. As projeções fazem parte das novas previsões da Comissão de Acompanhamento Macroeconômico da Andima, divulgadas hoje. As projeções divulgadas em julho apontavam para uma taxa Selic no final de ano em torno de 20,6%, com a média de 2003 atingindo 24,4% ao ano. Em 2004 os juros de referência da dívida pública (Selic) continuarão caindo, mas em ritmo menor. Na avaliação dos economistas, a taxa Selic atingirá 15,3% ao ano em dezembro de 2004, com a média anual atingindo 16,5% ao ano. A estimativa da Andima para o dólar é de uma desvalorização média frente ao real de 9,3% este ano, com a cotação de R$ 3,20 no dia 31 de dezembro, com a média do ano atingindo R$ 3,10. Esses valores estão praticamente iguais aos registrados em julho. Para 2004, a projeção é de uma cotação para o dólar em R$ 3,40 no final de dezembro, com a média anual de R$ 3,30. Ou seja, o dólar registraria valorização de 6,0% ao longo do ano que vem. InflaçãoA inflação medida pelo Índice Geral dos Preços de Mercado (IGP-M) ficará abaixo da variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2003, segundo estimativa da Andima. O estudo aponta que o IGPM ficará em 8,4%, enquanto o IPCA atingirá 9,6%, invertendo um comportamento registrado desde o final do ano passado. A meta do Banco Central é manter o IPCA em até 8,5% este ano. Na avaliação da Andima, os preços industriais devem registrar aumentos maiores do que os preços agrícolas no mercado de atacado em 2003, subindo 8,7% e 3,9%, respectivamente. Para 2004, os dois indicadores devem ficar muito próximos. Na avaliação da Andima, o IGP-M subirá 6,6% e o IPCA 6,4%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.