coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Aneel acha pouco provável que Cesp deixe Três Irmãos

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, afirmou nesta terça-feira, 18, que acha "pouco provável" que a Cesp abandone a operação da usina hidrelétrica de Três Irmãos. A usina será leiloada no dia 28 e a Cesp não quer mais operá-la depois disso, mas o edital prevê seis meses de operação assistida da Cesp com o novo concessionário.

ANNE WARTH, Agencia Estado

18 de março de 2014 | 15h05

"Um agente que está com a responsabilidade de operar a usina não pode adotar essa postura. Ele não é agente de um empreendimento só", afirmou. "Não acredito que um agente adote uma postura dessas, de radicalizar, sinceramente. Mas o fato de eu acreditar não significa que eles não vão adotar. E se adotarem, vamos agir ou reagir a isso de acordo com a regra."

Rufino evitou dizer se a Cesp poderá ser punida se deixar a operação da usina, mas não descartou essa possibilidade. "Prefiro não falar em tese. Mas certamente, se é uma obrigação, há uma punição associada ao descumprimento de uma obrigação."

Rufino disse ainda que as eclusas e o canal de navegação poderão ser operados pelo novo concessionário da usina, embora essas estruturas não integrem o edital de leilão. "Hoje há um acordo entre o Estado e a Cesp para operar a eclusa. Possivelmente o novo concessionário possa operar a eclusa, mas ela não faz parte do objeto do leilão, porque não é uma atividade ligada à geração de energia elétrica."

Tudo o que sabemos sobre:
AneelCespTrês Irmãos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.