René Moreira/Estadão
René Moreira/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Aneel adia data de pagamento de energia pelas elétricas

Nova data para quitar energia adquirida no mercado de curto prazo é 30 de janeiro e dá ao governo mais tempo para solucionar o problema de caixa das distribuidoras

Anne Warth, O Estado de S. Paulo

12 de janeiro de 2015 | 16h37

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) postergou a data de pagamento da energia no mercado de curto prazo pelas distribuidoras para o dia 30 de janeiro. O prazo original previa o pagamento para terça-feira, 13, referente à energia consumida em novembro. Com o adiamento, o governo ganha tempo para encontrar uma forma de solucionar o problema das empresas, que não possuem recursos para fazer frente à despesa.

O valor que poderá ser pago com atraso soma R$ 1,054 bilhão, que é a parte da dívida sem cobertura tarifária e que deve ser paga na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O total da despesa devida pelas empresas soma R$ 1,6 bilhão em janeiro, que contabiliza também gastos com energia gerada por usinas térmicas, energia de reserva e risco hidrológico, entre outros.

Essa parcela de R$ 546 milhões diz respeito a contratos bilaterais. Por isso, devem ser negociados por cada empresa individualmente com seus credores. Mesmo que sejam pagos com recursos próprios das empresas, esses valores têm direito à cobertura de um eventual novo empréstimo.

O Ministério de Minas e Energia defende um novo empréstimo com os bancos públicos, no valor de R$ 2,5 bilhões, suficiente também para o pagamento do gasto com energia de dezembro, que vence em fevereiro. O Ministério da Fazenda é contra a medida e avalia que a melhor solução é repassar os custos da energia para a tarifa.

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, disse que a decisão sobre o novo empréstimo será tomada pelo Ministério de Minas e Energia e pelo Ministério da Fazenda. "Isso está sendo analisado, se tem espaço para ampliar a captação ou não tem", afirmou. "Adiamos para o dia 30 na expectativa de que se encontre uma solução para o valor que não tem hoje cobertura tarifária."

Em janeiro de 2014, pelas mesmas razões, a Aneel adiou a data de pagamento da energia por parte das distribuidoras no mercado de curto prazo. Em seguida, o Tesouro autorizou um aporte de R$ 1,2 bilhão para as empresas. Ao longo do ano, dois empréstimos bancários foram firmados, no total de R$ 17,8 bilhões. Agora, a maior possibilidade é de que um terceiro empréstimo seja feito, de R$ 2,5 bilhões, com recursos do Banco do Brasil, Caixa e BNDES.

Presente à reunião, a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), uma das credoras da dívida das distribuidoras, pediu que os valores que serão pagos em atraso sejam atualizados pela Selic, e não pelo IGP-M. O diretor-geral da Aneel disse que a solicitação é válida e poderá ser atendida. A análise do pedido, porém, será feita pelo órgão regulador até o fim deste mês.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaaneel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.