Aneel admite divergência com Eletropaulo sobre tarifa

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), José Mário Abdo, admitiu hoje que a AES Eletropaulo "tem uma idéia diferente" sobre a proposta da agência para a revisão tarifária, que é de 9,62%. O processo de revisão tarifária da elétrica de São Paulo faz parte de sete revisões em curso pela Aneel, que serão finalizadas neste ano. Até maio, outros dez processos já foram concluídos. Desses dez, a CPFL, de São Paulo, concordou com um índice de 10% para a revisão tarifária, o que, na prática, mostra que a taxa pode ser vantajosa. Adbo descarta que a proposta original de 9,62% inviabilizaria a Eletropaulo, porque o porcentual é resultado de um ponto de equilíbrio justo.De acordo com o executivo, se as tarifas fossem reajustadas pelo procedimento normal, Índice Geral dos Preços de Mercado Disponibilidade Interna (IGP-DI) mais fator de produtividade, o aumento seria de 30%. No entanto, no processo de revisão tarifária que acontece quatro anos após a concessão, a Aneel buscou uma remuneração aceitável para o investidor e para o consumidor. Abdo não revelou qual o índice defendido pela Eletropaulo, mas reiterou que é diferente da proposta pelo governo. Ele participa hoje do seminário "O Papel das Agências Reguladoras", organizado pelo Instituto Trevisan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.