Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Aneel anuncia que contas de luz de janeiro terão bandeira verde

Com isso, consumidores não terão de pagar taxa adicional no próximo mês; em dezembro, vigorou o 1º patamar da bandeira vermelha, que acresce R$ 3,00 à fatura a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2017 | 17h54

BRASÍLIA – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que as contas de luz terão bandeira verde no mês de janeiro. Com isso, os consumidores não terão de pagar taxa adicional no próximo mês. Em dezembro, vigorou a bandeira vermelha em seu primeiro patamar, cuja taxa é de R$ 3,00 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

A mudança da bandeira foi possível em razão do aumento das chuvas nas últimas semanas, que ajudaram a recuperar o nível dos reservatórios das hidrelétricas.

++Governo publica MP que adia pagamento de dívida de R$ 3,5 bi com Eletrobrás para 2018

"O acionamento dessa cor indica condições favoráveis de geração hidrelétrica no Sistema Interligado Nacional (SIN). Mesmo com a bandeira verde, é importante manter as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício de energia elétrica", informou a Aneel.

O sistema de bandeiras tarifárias leva em consideração o nível dos reservatórios das hidrelétricas e o preço da energia no mercado à vista (PLD). Essa metodologia está em audiência pública e pode ser alterada no início de 2018.

++Com venda de hidrelétricas, governo fecha novembro com o melhor caixa em 3 anos

No novo sistema, a bandeira verde continua sem taxa extra. Na bandeira amarela, a taxa extra é de R$ 1,00 a cada 100 kWh. No primeiro patamar da bandeira vermelha, o adicional é de R$ 3,00 a cada 100 kWh. E no segundo patamar da bandeira vermelha, a cobrança é de R$ 5,00 a cada 100 kWh.

O sistema de bandeiras tarifárias é uma forma diferente de cobrança na conta de luz. O modelo reflete os custos variáveis da geração de energia.

++Sem estatais, leilões de energia elétrica atraem investimentos de R$ 40 bilhões

Antes, esse custo era repassado às tarifas uma vez por ano, no reajuste anual de cada empresa, e tinha a incidência da taxa básica de juros, a Selic. Agora, esse custo é cobrado mensalmente e permite ao consumidor adaptar seu consumo e evitar sustos na conta de luz.

LEIA TAMBÉM Salário mínimo sobe para R$ 954 a partir de 1º de janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.