Aneel: Coelce não será cassada

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu não cassar a concessão da Companhia Energética do Ceará (Coelce). Após analisar o relatório sobre a fiscalização feita na empresa, a agência chegou à conclusão de que houve uma reversão significativa no quadro de problemas da companhia. Porém, a agência decidiu manter multa de R$ 6,9 milhões contra a Coelce.Segundo o diretor-geral da agência, José Mário Abdo, a Coelce conseguiu apresentar uma melhoria, em média de 80%, em 15 itens analisados pela agência. Entre eles estão a segurança do pessoal, a qualidade no atendimento ao consumidor e o nível adequado de tensão de energia. A Aneel iniciou o processo de apuração de irregularidades na companhia em 28 de maio. A Coelce foi obrigada a resolver os problemas detectados no prazo de 90 dias, que terminou em 28 de agosto. Depois de constatada a melhoria no atendimento, a Aneel determinou à Coelce a construção, até 2003, de 27 subestações de energia e de 1.500 quilômetros de linhas de transmissão de energia elétrica. Segundo Abdo, a fiscalização na empresa continuará de forma rigorosa.A Coelce atende a 1,6 milhão de consumidores em 184 municípios. Segundo Abdo, a multa foi estipulada após a constatação de falhas na prestação de serviços aos consumidores. A empresa terá 10 dias corridos para pagar a multa. A Coelce poderá recorrer ainda à Justiça contra a decisão da agência, mas para isso terá que depositar o valor em juízo. Companhia vai devolver R$ 53 a cada um dos 50 mil consumidores mais pobresA Coelce deverá incluir 50 mil clientes na sua lista de consumidores de baixa renda, para que obtenham dessconto no consumo de energia elétrica. Esta foi uma das decisões da Aneel depois de concluir o processo de fiscalização na companhia. Segundo o diretor-geral da agência, esses clientes consomem menos de 200 kWh por mês e por isso deveriam ter descontos nas suas contas de luz, o que não estava sendo concedido pela Coelce. A companhia deverá devolver em média R$ 53 a cada um desses 50 mil consumidores que pagaram a mais pelo consumo de energia.

Agencia Estado,

01 de novembro de 2000 | 20h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.