Aneel concede reajuste extraordinário para Light

Pela primeira vez desde o ano 2000, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) concedeu nesta quarta-feira um reajuste extraordinário para uma distribuidora de energia. Os consumidores da Light, que atende o Rio de Janeiro, poderão ter de pagar médio 6,13% a mais nas contas de luz, em razão de problemas de fluxo de caixa.O reajuste ocorre três meses depois de a mesma Aneel ter aprovado o aumento médio de 13,51% para as suas tarifas. O Ministério da Fazenda ainda terá que autorizar a medida, já que a lei do Plano Real determina que as tarifas só podem ser corrigidas em um intervalo mínimo de 12 meses.Além dos problemas de caixa, a Light, que atende 3,4 milhões de unidades consumidores em 33 municípios, ainda tem um índice alto de inadimplência entre seus clientes, inclusive o governo do Estado do Rio, cuja dívida com a Light chega a R$ 150 milhões, segundo a Aneel. A Light, segundo a Aneel, reivindicou essa recomposição para estar apta a participar de um programa de capitalização do BNDES, no valor de US$ 250 milhões. A distribuidora também estaria renegociando o refinanciamento de dívida de US$ 600 milhões com 17 bancos privados.Segundo Kelman, a Aneel estava preocupada que os problemas financeiros da Light pudessem ameaçar a qualidade de seus serviços e também por isso decidiu autorizar o reajuste fora da data de aniversário do contrato. "A situação financeira da concessão poderia levar a prejuízos na qualidade dos serviços prestados ao consumidor", disse. Segundo Kelman, o reajuste extra vai evitar um aumento acentuado das tarifas da Light no fim do ano.O reajuste de 6,13% é uma média e, se autorizado, será diferente para cada classe de consumidor: residencial, comercial e industrial. Em média, uma conta de luz, com consumo de 100 quilowatts/hora, passará a custar R$ 32,80. O impacto na inflação desse aumento é de 0,0039 ponto porcentual no IPCA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.