Aneel: consumidores reclamam de atendimento

A qualidade do fornecimento de energia elétrica pelas 64 distribuidoras está sendo questionada pelos consumidores de todo o país. A Agência Nacional de Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou hoje um relatório sobre o desempenho das concessionárias de energia em relação ao atendimento ao público feito com base nos dados da central de teleatendimento da Agência. Pelo relatório, seis distribuidoras de energia elétrica foram responsáveis por 60% das reclamações feitas por usuários de todo o País à Aneel no período entre 31 de março do ano passado e 31 de março deste ano.A Cemig, de Minas Gerais, a Escelsa, do Espírito Santo, a CEB, do Distrito Federal, a Coelba, da Bahia, a Light e a Cerj, do Rio de Janeiro, foram as empresas que mais receberam reclamações no período. Entre as reclamações mais freqüentes, 20% referem-se à má qualidade do atendimento prestado pelas distribuidoras.Em segundo lugar na lista do call center da Aneel, com 19,3%, aparecem as reclamações pela medição feita pelos relógios de luz; em terceiro, com 18,8%, estão as queixas por interrupção no fornecimento, seguidas por reclamações por não-atendimento ou atendimento fora do prazo de pedidos de ligação ou desligamento (7,2%) e queixas sobre os valores cobrados incorretamente nas contas de luz (7%). Segundo a Agência, a central de teleatendimento recebeu 657 mil ligações no período de um ano.Distribuidora do ES recebeu o maior número de reclamaçõesA Escelsa, que distribui energia elétrica a 872 mil consumidores no Espírito Santo, foi, dentre 64 distribuidoras de todo o País, a que recebeu maior número de reclamações proporcionalmente ao universo de consumidores que atende. No período de 31 de março de 2000 a 31 de março de 2001, a Escelsa recebeu 50,34 reclamações por cada grupo de 10 mil consumidores. Em segundo lugar vem a CEB, distribuidora do Distrito Federal, com 45,87 reclamações. As duas empresas incluem-se na categoria de empresas que atendem entre 400 mil e 1 milhão de consumidores.Entre as 16 distribuidoras com mais de 1 milhão de consumidores, a CERJ, do Rio de Janeiro, aparece com o pior desempenho. Ela recebeu 26,99 reclamações por cada grupo de 10 mil consumidores. Em segundo lugar vem a Coelba, da Bahia, com 23,42 e, em terceiro, a Light, do Rio, com 19,42 reclamações. As maiores distribuidoras do Estado de São Paulo aparecem com os seguintes resultados: CPFL, com 16,88 reclamações; Elektro, com 14,82; Bandeirante, com 9,76; e Eletropaulo, com 8,43.Distribuidora do RS não recebeu reclamaçõesA distribuidora Putinga, que atende a 1.240 unidades consumidoras em Putinga, no Rio Grande do Sul, foi a única concessionária de cujos serviços não chegou nenhuma queixa à Aneel. O resultado deste levantamento, segundo a Aneel, servirá de base para o planejamento de fiscalização que a Agência fará, este ano, nas concessionárias. Representantes das 64 distribuidoras discutiram ontem, na sede da Aneel, formas de melhorar o atendimento aos consumidores. A Aneel está estudando também a criação de uma resolução estabelecendo metas de qualidade para as concessionárias no atendimento aos consumidores, que serão implantadas ainda neste ano. Segundo o superintendente de Mediação da Aneel, Manoel Negrisoli, o descumprimento das metas poderá resultar em multas para as concessionária. A Central de Atendimento da Aneel, onde são recebidas as reclamações contra as concessionárias, funciona no número 0800-612010 e recebe uma média de 7 mil ligações por dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.