Dida Sampaio/Estadão - 7/11/2020
Dida Sampaio/Estadão - 7/11/2020

Aneel diz que relatório sobre causa de apagão no Amapá ficará pronto nos próximos 10 dias

Documento é importante para definir eventuais punições no caso; 13 dos 16 municípios do Estado ficaram sem fornecimento de energia

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 11h40
Atualizado 17 de novembro de 2020 | 21h04

BRASÍLIA - Passo importante para que eventuais punições sejam aplicadas no caso do apagão no Amapá, o relatório que mostrará a causa do problema, chamado de análise de perturbação, deve ser finalizado nos próximos dez dias, afirmou nesta terça-feira, 17, o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone. 

Ele participou de uma audiência pública na comissão mista do Congresso para prestar esclarecimentos sobre o apagão do último dia 3, que deixou 13 dos 16 municípios do Estado sem luz. "Acredito que nos próximos 10 dias teremos relatório de análise de perturbação, que vai apontar tudo o que aconteceu no caso da subestação", afirmou. A subestação é operada pela Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LTME) - da qual a empresa privada Gemini Energy detém 85% de participação na linha. 

Segundo Pepitone, a partir desse relatório, três medidas podem ser tomadas. Uma delas é a aplicação de multa por cada não conformidade que for identificada no caso, de 2% da receita da empresa. Outras possibilidades previstas em lei são a caducidade (fim do contrato) ou intervenção na concessão. "Fiscalização pode nos dar elementos para caducidade ou intervenção da concessão", disse. 

O documento pode ainda municiar uma eventual ação civil pública para reparação de danos, ponto sobre o qual o Ministério Público Federal (MPF) pode ser um aliado. Pepitone lembrou que o óleo que precisa ser transportado para alimentar os geradores que vão atender emergencialmente a população geram custos para o sistema elétrico, o que pode ser ressarcido por meio de uma eventual ação na Justiça. 

"Do ponto de vista da regulação, nós estamos garantindo que todos os consumidores que tiverem equipamentos queimados ocasionado por falta de alimentação de energia serão ressarcidos dentro do setor elétrico", disse o diretor-geral da Aneel.

Ao ser questionado sobre como uma falha nessa amplitude poderia ocorrer nos dias atuais, Pepitone afirmou que nenhum sistema elétrico é infálivel. "O que não podemos aceitar é negligência, somente o relatório vai nos dar condição para apurar correta causa."  

Auxílio para a população do Estado

O diretor-geral da Aneel mencionou a possibilidade de o Congresso aprovar alguma medida de auxílio aos consumidores do Amapá afetados pelo apagão, a exemplo do que já ocorre com a tarifa social.

Por meio dela, são concedidos descontos na tarifa de energia para consumidores de baixa renda. "Poderíamos estar pensando em algo similar nesse momento crítico do Amapá", disse Pepitone na audiência pública.

Ele afirmou que qualquer medida nesse sentido demandaria aprovação de uma lei e sugeriu que a própria comissão mista que acompanha as ações de combate à covid-19 proponha algo. "Podemos opinar, ser propositivos, poderia ser até iniciativa da comissão uma ação nesse sentido, de buscar alguma medida a exemplo da tarifa social para consumidores afetados no Amapá."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.