Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Aneel prevê que tarifas de energia poderão cair em 2010

As tarifas de energia elétrica poderão cair no ano que vem, disse hoje o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner. Isso seria decorrente do fato de que o Brasil deverá praticamente dispensar, até o fim deste ano, o uso de usinas termelétricas para geração de energia complementar neste ano. A mesma avaliação foi feita pelo diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp. Ambos participaram hoje da reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE).

LEONARDO GOY, Agencia Estado

17 de agosto de 2009 | 19h03

A eletricidade gerada em usinas térmicas é cara. Por isso, elas só são acionadas quando os reservatórios das usinas hidrelétricas estão muito baixos. A tarifa ao consumidor é formada por um mix das duas. Segundo Hubner, a queda na tarifa poderá acontecer, principalmente, para as empresas que tiveram seus reajustes determinados nos primeiros meses de 2009. Nesses casos, o cálculo do reajuste levou em conta uma expectativa de geração de energia térmica maior do que a que está se efetivando e é por isso que essas empresas poderiam ter queda de tarifa no ano que vem.

"Podemos até ter ajustes negativos, por segmento, e em algumas empresas", disse Hubner. Ele explicou que as térmicas não estão sendo necessárias neste ano pela combinação de dois fatores: a crise econômica, que reduziu o consumo de energia nas indústrias, e as chuvas acima da média na época da seca. Segundo Chipp, os reservatórios das usinas hidrelétricas em todo o País estão apresentando o melhor nível dos últimos dez anos. Com as represas cheias, o ONS pode determinar que a maior parte da energia consumida no País seja gerada nas hidrelétricas, a um custo bem inferior ao das térmicas.

Segundo dados de ontem do ONS, os reservatórios da Região Sul operavam com 85,8% da capacidade; os do Sudeste e do Centro-Oeste com 74,1% do potencial; os do Nordeste a 80,7%; e os do Norte, 75,8%.

Tudo o que sabemos sobre:
energiatarifaAneel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.