Aneel: setor elétrico caminha para uma solução

O diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Edvaldo Santana, disse hoje que o atual cenário de turbulências no setor elétrico "está caminhando para uma solução". Para o diretor, essa solução está sendo encontrada por um caminho técnico, por meio do aumento da oferta de energia produzida por usinas termoelétricas. Ele admitiu, entretanto, que as autoridades responsáveis pelo setor elétrico no País estão preocupadas. "Até porque, se não estivessem todos preocupados, não haveria como estarmos caminhando por uma solução", afirmou. Para Santana, a crise atual é "mais fácil de resolver" do que a de 2001, quando foi decretado o racionamento de energia. "Apesar de todas as restrições (como a escassez de gás) hoje temos mais flexibilidade, devido à capacidade de geração por meio de térmicas a óleo e também à expansão da rede de transmissão. Em 2001 a única saída foi a racionalização. "Agora há como agir pelo lado da oferta", afirmou. Edvaldo Santana informou que na manhã de hoje foi realizada uma reunião técnica na sede do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), no Rio de Janeiro, para fazer um dimensionamento da capacidade de geração térmica que ainda pode ser utilizada. Na semana passada, o governo mandou ligar seis usinas termoelétricas a óleo no Sudeste, capazes de gerar 800 megawatts. Na próxima quinta-feira Edvaldo Santana representará a Aneel - uma vez que o diretor geral da agência, Jerson Kelman, está em férias - em mais uma reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). A pauta não está definida, mas os participantes devem fazer uma atualização dos dados sobre a situação do fornecimento de energia. Desde que as preocupações sobre o setor vieram à tona, o CMSE vem se reunindo semanalmente para analisar e tomar medidas para tentar reduzir o problema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.