Aneel vai definir como será repasse de aumento do gás

O Ministério de Minas e Energia autorizou nesta quarta-feira, 7, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a estabelecer como será feito o repasse, para os contratos de venda de energia de Furnas, do aumento do preço do gás boliviano que abastece a usina termelétrica Mário Covas, a Termocuiabá. O aumento no preço do gás, de US$ 1,19 para US$ 4,20 por milhão de BTU, faz parte do acordo selado no mês passado entre o Brasil e a Bolívia em torno do preço do gás.A energia gerada pela termelétrica - que é controlada por investidores privados - é vendida integralmente para Furnas, que, por sua vez, a revende para distribuidoras do Sistema Interligado Nacional. Com isso, o aumento do preço do gás vendido à usina acaba afetando, em cadeia, o custo da energia vendida por Furnas e, na ponta, o preço pago pelos consumidores.Na época do anúncio do acordo com Evo Morales, o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, havia estimado que a alta do preço do gás para a Termocuiabá causaria um aumento de cerca de 0,2% nas contas de luz de cerca de 95% dos consumidores brasileiros. Esse aumento adicional será aplicado às contas dos consumidores pela Aneel no momento em que a agência calcular os índices de reajuste de cada uma das distribuidoras afetadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.