finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Aneel vai propor alteração bilateral para corrigir cobrança

Empresas não repassam para os consumidores os ganhos com o crescimento do mercado desde 2002

Leonardo Goy, da Agência Estado,

04 de novembro de 2009 | 14h40

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai propor uma alteração bilateral nos contratos de concessão das 64 distribuidoras de energia elétrica do País, para corrigir, daqui para a frente, a distorção dos atuais contratos, que fez com que, de 2002 para cá as empresas não repassassem para os consumidores os ganhos com o crescimento do mercado de consumo. O problema foi detectado pela própria Aneel, em 2007 e segundo o Tribunal de Contas da União, gerou prejuízos aos consumidores de R$ 1 bilhão por ano.

 

Veja também:

linkCobrança indevida de luz será ressarcida 

 

Na semana passada, a agência e o Ministério de Minas e Energia divergiram, durante audiência na CPI da Conta de Luz, na Câmara, quanto a melhor maneira de solucionar a questão. O diretor-geral da Aneel, Nelson Hubner, que defende a reedição de uma portaria interministerial para corrigir o problema, afirmou nesta quarta-feira, 4, que uma vez que não há consenso em torno da reedição, a agência vai tentar fazer uma alteração nos contratos.

 

A proposta será discutida nesta quinta-feira, às 10 horas, pela diretoria da Agência, que pretende abrir uma audiência pública para tratar do assunto com as empresas. "Como a mudança mexe em cláusula econômica no contrato, é preciso ter acordo com a empresa', disse Hubner. Ele ressaltou que essa audiência pública tratará de corrigir a distorção e fazer com que os ganhos de mercado sejam repassados às tarifas daqui para a frente.

 

Com relação às perdas consumadas para os consumidores, Hubner disse que é preciso discutir uma outra solução.

Tudo o que sabemos sobre:
Aneelcobrançaenergia elétrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.