Anefac: taxas de juros estáveis ao consumidor

No mês de março, as taxas de juros nas principais linhas de crédito ao consumidor mantiveram-se estáveis ou com pequena elevação segundo apontou a pesquisa mensal da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). A taxa de juros praticada pelo comércio teve um pequeno aumento de 0,01 ponto percentual em relação a fevereiro, ficando em 6,77% ao mês em março. De acordo com a Associação, a elevação da taxa básica de juros (Selic), de 15,25% para 15,75% ao ano, promovida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) no dia 21 de março, teve pouca influência nas taxas praticadas pelo mercado. Mesmo assim, as taxas ainda continuam em um parâmetro bastante elevado. No empréstimo pessoal por financeiras, por exemplo, em que a taxa mensal subiu de 10,04% em fevereiro para 10,32% em março, o consumidor paga uma taxa média anual de 224,98%. Para se ter uma idéia, na captação de recursos junto aos investidores, por meio de Certificados de Depósitos Bancários, os bancos pagam uma taxa bruta anual de 17,59%. Compare taxas Ao contratar uma operação de crédito, muitas vezes o consumidor escolhe uma opção em que o valor da parcela fique dentro do seu orçamento, sem observar qual é a taxa de juros que está sendo paga. Nesse caso, o mais comum é que o consumidor escolha por uma operação com prazo mais longo, em que as prestações serão menores. Mas cuidado: são nesses prazos em que são cobradas as taxas mais altas. Quanto mais longo o período em que o consumidor estiver com a dívida, maiores as possibilidades de que ocorram eventos inesperados, como desemprego, aumentando o risco da inadimplência. Diante desse risco, o custo do crédito para o consumidor fica mais elevado. Por isso, antes de contratar uma operação de crédito ou efetuar uma compra a prazo, a recomendação é comparar as taxas, evitando os prazos mais longos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.