Anfavea defende adoção de estoques reguladores de combustível

O presidente da Associação Nacional dos Veículos Automotores (Anfavea), Rogelio Golfarb, defende a adoção pelo governo de estoques reguladores para evitar que ocorram novas oscilações no preço do combustível. "Estamos preocupados com essa grande volatilidade (oscilação) nos preços, mas acreditamos que ela seja uma coisa passageira", disse Golfarb. "Mas precisamos fazer nossa lição de casa por que o álcool é importante para o Brasil e também está ficando relevante para o mundo. Temas como o estoque regulador devem ser avaliados para aliviar essas oscilações." Em fevereiro, 77% dos veículos vendidos no País foram equipados com motor Flexifuel.Golfarb observou que oscilações no preço do álcool sempre vão ocorrer por causa da sazonalidade da safra de cana-de-açúcar. "Mas os estoques reguladores precisam ser estudados com mais carinho como uma forma de limitar essas oscilações", disse. No longo prazo, ele acredita que o problema de volatilidade nos preços será cada vez menor. "Não é um problema crônico, a medida que ocorrerem mais investimentos na produção, em usinas, tenho convicção que o problema que vemos hoje não será repetido", disse. "Trata-se de um processo muito recente, com uma demanda crescente no Brasil e no mundo, e por isso são necessários investimentos, que já estão acontecendo."CâmbioGolfarb disse que a valorização do real diante do dólar já está tendo um impacto negativo no crescimento das exportações do setor automobilístico do País. Segundo ele, o valor das vendas externas de veículos cresceu 14% nos dois primeiros meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. "Mas em 2003 tivemos um aumento de 45% nas exportações. Em 2004 elas cresceram acima dos 50% e no ano passado ficaram em 35%", disse. "Ou seja, os resultados ainda são positivos, mas vemos uma tendência de queda."Em relação ao mercado doméstico, Golfarb disse que a perspectiva é positiva. Nos dois primeiros meses de 2006 as vendas cresceram 14% (261 mil veículos) em relação ao mesmo período do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.