Anfavea insiste na prorrogação de acordo com Argentina

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) entregou na tarde desta segunda-feira aos ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior a proposta da entidade para uma negociação com a Argentina para um acordo bilateral. O presidente da Anfavea, Luiz Moan, disse que o setor insiste na prorrogação por dois anos do atual acordo automotivo da forma como está, ou seja, com a existência do livre comércio.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

19 de maio de 2014 | 19h25

A Anfavea resiste à proposta apresentada pela Argentina de retornar o mecanismo chamado "flex", pelo qual as montadoras brasileiras têm uma cota de importação da Argentina para garantir exportações sem cobrança de tarifa. A Argentina quer que para cada US$ 1,3 milhão exportado pelo Brasil para aquele país as montadoras sejam obrigadas a importar da Argentina US$ 1 milhão.

"Gostaríamos que continuasse o livre comércio", afirmou Moan. "O próprio livre mercado vai causar um aprofundamento da integração produtiva. Quando os dois lados eliminam restrições, já se tem um ponto extremamente favorável para o aprofundamento da integração", completou.

O executivo não quis, no entanto, antecipar a proposta apresentada pela Anfavea ao governo em relação às metas para o aumento do comércio bilateral. Segundo Moan, o governo ficou de avaliar "a factibilidade" da proposta. Moan negou rumores que o setor estaria se recusando a assinar um acordo com a fixação de metas que obriguem as montadoras brasileiras a aumentarem a aquisição de autopeças na Argentina. A próxima reunião entre Brasil e Argentina, envolvendo governos e setor automotivo, ocorrerá nos dias 27 e 28 de maio, em Buenos Aires.

Tudo o que sabemos sobre:
AnfaveaArgentinaacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.