Estadão
Estadão

Anfavea prevê queda de 34,3% na venda de caminhões em 2015

Apesar de aguardar uma recuperação da indústria automobilística no segundo semestre, Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) estima que serão emplacados 90 mil caminhões durante este ano, ante 137 mil unidades em 2014

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2015 | 19h10

Mesmo prevendo uma recuperação da indústria automobilística no segundo semestre deste ano, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) ainda projeta uma queda de 34,3% nas vendas de caminhões em 2015 ante 2014, informou nesta segunda-feira o vice-presidente da entidade, Luiz Carlos Gomes de Moraes, durante Workshop Tendências Setoriais Caminhões, promovido pela agência de notícias Autodata.

A associação estima que serão emplacados 90 mil caminhões durante todo este ano, ante 137 mil unidades em 2014. O número faz parte da previsão de venda de 113 mil pesados (caminhões e ônibus) em 2015 divulgada de forma conjunta pela Anfavea, no início de abril. As outras 23 mil unidades se referem à projeção para emplacamentos de ônibus, o equivalente a recuo de 16% ante os 27,5 mil ônibus vendidos no ano passado.


De acordo com Moraes, as previsões levam em conta o cenário de ajuste econômico pelo qual passa o Brasil, que gera baixa confiança de consumidores e investidores, e de juros e condições de financiamento por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) piores do que antes. A projeção, porém, não considera as vendas de pesados para o governo, que, segundo o executivo, somaram cerca de 10 mil unidades em 2014.

O vice-presidente da Anfavea afirmou que grande parte desses 90 mil caminhões deve ser vendida no segundo semestre, quando a entidade prevê uma recuperação da indústria automobilística nacional. Ele ponderou que, para que essa melhora aconteça, é fundamental que o governo consiga aprovar o ajuste fiscal o mais rápido possível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.