EFE/EPA/Hayoung Jeon/POOL
EFE/EPA/Hayoung Jeon/POOL

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Angela Merkel expressa 'sérias dúvidas' sobre acordo com o Mercosul

Porta-voz da chanceler alemã disse que ameaça ecológica na Amazônia põe em risco futuro do pacto de livre-comércio com a União Europeia

Agências Internacionais, AFP

21 de agosto de 2020 | 15h17

BERLIM - A chanceler alemã, Angela Merkel, expressou pela primeira vez nesta sexta-feira, 21, "sérias dúvidas" sobre o futuro do acordo comercial entre a União Europeia e os países do Mercosul, dada a ameaça ecológica que paira sobre a Amazônia no Brasil. “Temos sérias dúvidas de que o acordo possa ser aplicado conforme o planejado", disse o porta-voz da chanceler, Steffen Seibert.

A União Europeia (UE) e os países do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) assinaram o acordo de livre-comércio no ano passado. Mas, para ser definitivamente validado, ele precisa ser ratificado por todos os parlamentos nacionais.

O parlamento austríaco e, recentemente, os holandeses rejeitaram o pacto em sua forma atual. Outros países, como Bélgica, França, Irlanda e Luxemburgo foram críticos. Até agora, a Alemanha apareceu como um dos grandes promotores desse acordo.

As declarações de seu governo nesta sexta-feira aumentam as críticas na Europa, já que o texto é alvo de ataques de ambientalistas, que temem que isso vá afetar o meio ambiente. No foco das preocupações está a maior abertura dos mercados europeus à carne sul-americana, já que a pecuária é responsável por 80% do desmatamento na Amazônia, segundo a associação WWF.

Para responder a essas preocupações, um capítulo foi integrado ao texto final do acordo que tratava, em particular, da "conservação da floresta".

Mas a chanceler alemã agora expressa "forte preocupação" com o "contínuo desmatamento" e os "incêndios", que se multiplicaram nas últimas semanas na Amazônia. "Estamos céticos", disse seu porta-voz. "Nesse contexto", Berlin tem "sérias dúvidas sobre a implementação do acordo conforme planejado" e, especialmente, dessa cláusula. “A Amazônia afeta o mundo todo”, acrescentou.

É a primeira vez que a Angela Merkel expressa críticas a esse pacto. A multiplicação dos incêndios na maior floresta tropical do mundo chocou a comunidade internacional. O presidente francês Emmanuel Macron já havia ameaçado não ratificar o acordo se o governo de Jair Bolsonaro não tomasse as medidas necessárias para proteger a Amazônia. No entanto, os incêndios cresceram 28% em julho deste ano, em relação ao mesmo mês de 2019.

A crítica da Alemanha ocorre no dia seguinte a um encontro entre a chanceler e os responsáveis pelo movimento Fridays for Future, especialmente com sua líder, a jovem sueca Greta Thunberg, na capital alemã.

“Angela Merkel aprovou nossas críticas ao acordo com o Mercosul e não pretende assiná-lo”, disse no Twitter Luisa Neubauer, importante figura do movimento na Alemanha, que participou do encontro.

O acordo foi inicialmente apoiado pela Alemanha e sua poderosa indústria de exportação, especialmente a indústria automobilística, que o viu como uma porta para novas oportunidades.

A Organização das Câmaras de Comércio e Indústria (DIHK) reagiu às afirmações do chanceler, defendendo um acordo "que poderia dar o impulso de que a economia necessita urgentemente, durante a atual crise", causada pela pandemia do coronavírus.

Mas as preocupações ambientais, amplamente compartilhadas pela opinião pública alemã, estão ganhando peso no país, onde milhares de jovens ativistas costumam se manifestar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.