Ludovic Marin / AFP / Gabriela Bilo / Estadão / Britta Pedersen / dpa / AFP
Ludovic Marin / AFP / Gabriela Bilo / Estadão / Britta Pedersen / dpa / AFP

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Angela Merkel questiona boicote a acordo comercial entre UE e Mercosul

Para chanceler alemã, solução levantada pelo Emmanuel Macron não resolve questão da Amazônia; presidente do Conselho Europeu questionou se há clima para acordo comercial

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2019 | 09h40

A chanceler da Alemanha Angela Merkel afirmou neste sábado, 24, que impedir um acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul não vai ajudar no combate aos incêndios florestais que ocorrem na Amazônia.

A opção foi levantada na última sexta-feira, 23, pelo presidente da França Emmanuel Macron, que acusou o presidente Jair Bolsonaro de mentir sobre a situação ambiental do Brasil. O comunicado do Palácio do Eliseu recebeu apoio da Irlanda.  

 

Merkel afirmou por meio de um e-mail que também se preocupa com a questão ambiental, mas questionou o posicionamento do presidente da França. De acordo com a chanceler alemã, o acordo do Mercosul contém uma declaração de comércio que "inclui um ambicioso capítulo de sustentabilidade com regras vinculativas sobre proteção, em que ambos os lados se comprometeram a implementar em um acordo sobre o clima", destacou.

"A não-conclusão (do acordo) é, portanto, do nosso ponto de vista, uma resposta não apropriada ao que está acontecendo atualmente no Brasil", concluiu o governo alemão.

O entrave no acordo também foi levantado pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. Na abertura do G-7 na manhã deste sábado, 24, Tusk questionou a viabilidade da parceria no momento que o Brasil enfrenta. "É claro que apoiamos o acordo entre a UE e o Mercosul (...), mas é difícil imaginar um processo de ratificação enquanto o governo brasileiro permitir a destruição", afirmou Tusk. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.