Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Anglo Irish Bank recebe mais € 8,6 bilhões do governo

Além deste montante, o banco irlandês já afirmou que será necessário mais capital para manter-se solvente

Ligia Sanchez, da Agência Estado,

31 de agosto de 2010 | 12h43

O banco irlandês nacionalizado Anglo Irish Bank afirmou que o governo injetou outros € 8,58 bilhões para mantê-lo solvente e acrescentou que será necessário mais capital, já que reportou forte prejuízo no primeiro semestre. O banco planeja desativar pelo menos 80% de seus negócios em dez anos.

O anúncio foi feito em um momento em que aumentam as preocupações quanto à capacidade de a Irlanda continuar socorrendo seus bancos, que estão sofrendo com pesados prejuízos relacionados a empréstimos, com a fraca economia do país. O Anglo Irish Bank foi assumido pelo governo em janeiro de 2009 e já recebeu € 22,88 bilhões de capital estatal.

Com prejuízo antes de impostos de € 8,2 bilhões no primeiro semestre, o banco afirmou que o tamanho das outras injeções de capital pelo governo dependerá da direção dos preços de propriedades comerciais e da saúde da economia em geral, assim como do total de recursos que obtiver dos créditos que serão transferidos à Agência Nacional de Gestão de Ativos da Irlanda, um órgão formado para lidar com os empréstimos ruins dos bancos irlandeses.

O banco não forneceu números do primeiro semestre de 2009 para comparação. O prejuízo do ano de 2009 foi de € 12,7 bilhões.

O diretor executivo, Mike Aynsley, afirmou que o plano para transferir pelo menos 80% do banco para um veículo de desativação e criar um "bom banco" viável com os melhores ativos restantes será a melhor aposta para os contribuintes e poderá, eventualmente, resultar em um retorno para o governo. A Comissão Europeia deve decidir sobre o plano em setembro.

Outras opções que foram consideradas pelo banco e o governo incluem a liquidação do banco dentro de um ano ou desativá-lo em um período mais longo. Para Aynsley, estas seriam opções piores para os contribuintes. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.