Anglo pagou US$ 6,6 bi por minas da MMX

A MMX surgiu em 2005, como um projeto ambicioso. Eike Batista chegou a dizer que iria transformar a empresa na quarta maior mineradora do mundo até 2011 - mas nunca chegou perto dessa marca. Com três projetos de mineração (Minas-Rio, o mais importante, Corumbá e Amapá), a MMX abriu o capital em julho de 2006 e captou mais de US$ 500 milhões - o maior IPO da história do País até então.

, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2010 | 00h00

A história da empresa, porém, começou a tomar outro rumo em 2007, quando a multinacional Anglo American comprou, por US$ 1,1 bilhão, 49,9% da Minas-Rio. No ano seguinte, a Anglo pagou mais US$ 5,5 bilhões pelo restante do Minas-Rio e pelo projeto Amapá. A MMX ficou muito menor - apenas com o projeto Corumbá e com as minas AVX e Minerminas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.