Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Angra 1 é desligada por falha em equipamento

Segundo a Eletronuclear, a parada foi causada por um rompimento num tubo de um dos condensadores que resfriam o vapor usado para mover o gerador elétrico da usina

Mariana Durão,Daniela Amorim,Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2015 | 12h55

Texto atualizado às 18h

Uma falha em um condensador levou ao desligamento da usina nuclear Angra 1 do Sistema Interligado Nacional, na madrugada desta quinta-feira, 19. Segundo a Eletronuclear, a parada foi causada por um rompimento num tubo de um dos condensadores que resfriam o vapor usado para mover o gerador elétrico da usina. O desligamento da usina não compromete o abastecimento de energia no País, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

A companhia explicou que o desligamento foi necessário para preservar a integridade de outros equipamentos, como os geradores de vapor. Técnicos realizam na noite desta quinta-feira o primeiro teste para avaliar a extensão dos danos. Segundo a Eletronuclear, só após a realização do teste será possível determinar o tempo necessário para reparar o problema. Por enquanto, a companhia afirma que não há previsão para o religamento da usina.

Segundo o ONS, é comum a Eletronuclear desligar Angra 1 sempre que percebe algum tipo de problema no seu funcionamento. Por ser uma usina nuclear, o seu sistema de segurança é mais rigoroso do que o de outras usinas. A usina foi uma das envolvidas no último apagão, há um mês, que deixou 11 estados no escuro. Mas o operador do sistema diz que não há relação entre o desligamento da usina hoje e o problema ocorrido há um mês.

A empresa afirma que o condensador não faz parte dos equipamentos da área nuclear, portanto, não tem qualquer relação com a área contaminável. A companhia declara que não houve nenhum outro tipo de risco aos trabalhadores, à população ou ao meio ambiente.

O relatório diário de operação divulgado pelo ONS menciona que a usina gerou abaixo da energia programada das 21h20 à meia-noite de ontem devido a um "rompimento no tubo condensador de sua unidade geradora". Segundo o ONS, a produção média verificada foi de 532 megawatts (MW) médios ante 565 MW programados.

Mais conteúdo sobre:
Angra I Eletronuclear Energia nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.