Angra 3 só será construída com recursos privados

A usina nuclear de Angra 3 deverá ser construída com dinheiro do setor privado e não com recursos do sistema Eletrobrás, disse nesta quarta-feira o presidente da estatal, Luiz Pinguelli Rosa. O modelo imaginado por ele é a constituição de uma "empresa-espelho", que seria constituída por empresas interessadas na compra da energia a ser gerada pela usina. Pinguelli lembrou que as atividades nucleares são monopólio da União, mas que não haveria obstáculo para a montagem dessa operação.O presidente da Eletrobrás anunciou que a empresa pretende investir "pelo menos" R$ 5 bilhões em 2004. Segundo ele, o sistema Eletrobrás (incluindo Itaipu) está investindo R$ 3,5 bilhões neste ano, sem tomar dinheiro emprestado. Além disso, está gerando um superávit primário de R$ 1 bilhão neste ano.A prioridade da empresa em 2003 tem sido a ampliação da capacidade das usinas de Tucuruí e Itaipu, além de investimentos em linhas de transmissão. Pinguelli disse que ainda não definiu os projetos para 2004, pois isso depende de definição do governo federal. Ele mencionou, porém, que vê o projeto do Rio Madeira, na Amazônia, como "muito importante".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.