Animec acusa Telefónica de abuso de poder

A Associação Nacional de Investidores do Mercado de Capitais (Animec) acredita que a Telefónica está cometendo abuso de poder na operação de reestruturação de suas operadoras celulares. No último dia 11, a empresa anunciou a futura incorporação das operadoras Telerj e Telest pela holding Tele Sudeste Participações. Da mesma forma, a Telebahia e a Telergipe serão incorporadas pela Tele Leste Participações. Por conta da operação, haverá uma substituição de ações, determinada com base no valor patrimonial apurado no balanço a ser concluído no próximo dia 31.Os acionistas da Telerj receberão 5,7 ações da Tele Sudeste por cada uma possuída. No caso da Telest, a relação de troca será 1 para 31,17. Na Telebahia, a substituição será na proporção de 1 para 22 ações da Tele Leste e, para a Telergipe, de 1 para 58,56. Animec diz que Telefónica usou informação privilegiadaNa visão da Animec, as complicações começaram em julho de 1999, quando a Telefónica, em conjunto com a Iberdrola, anunciou uma oferta pública para a aquisição das ações dessas mesmas operadoras. "Mesmo oferecendo um prêmio de 40% em relação às cotações das ações à época, os acionistas venderam seus papéis por preços muito baixos, se levarmos em conta suas cotações atuais", disse o diretor da Animec, Francisco Ribeiro de Magalhães Filho. Segundo o diretor da Animec, o abuso de poder não se encerra na simples valorização das ações. "A Telefónica usou de informação privilegiada, pois sabia que faria uma outra operação, um ano depois." Pela instrução nº 299 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), afirmou, as holdings Tele Leste e Tele Sudeste não poderiam realizar novas reestruturações no período de doze meses após o leilão.Acionistas foram prejudicadosPelo raciocínio de Magalhães, os antigos acionistas foram prejudicados e perderam dinheiro ao alienar seus papéis por uma quantia baixa na comparação com a atual. Caso opte por substituir apenas uma de suas ações, o detentor de Telest, por exemplo, terá R$ 0,229 em papéis da Tele Sudeste. O acionista de Telerj ficará com R$ 0,313 em ações da holding. Pelo critério de substituição, o detentor de Telergipe terá R$ 0,074 em ações da Tele Leste e o acionista da Telebahia ficará com R$ 0,27 em papéis da holding. Há um ano, as ofertas representaram valores muito mais elevados, considerando somente as ações ON (ordinárias, com direito a voto): de R$ 55,50 por lote de mil para a Telest, R$ 34,50/mil para a Telerj, R$ 19,65/mil para a Telebahia e R$ 22,80/mil para a Telergipe."A CVM deveria exigir da Telefónica o pagamento da diferença aos acionistas antigos", completou Magalhães. A autarquia afirmou somente que ainda está analisando a operação e disse que pedirá à Animec que faça uma reclamação por escrito.A Telefónica reafirmou, por meio de nota oficial, que seguiu todas as regras, não usou informações privilegiadas e respeitou os prazos regulamentares e oficiais da operação de reestruturação de suas empresas de telefonia celular. A empresa diz que não aceita a argumentação da Animec de que os acionistas tenham sido prejudicados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.