Annan pede continuidade das reformas nos países emergentes

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, pediu hoje aos países em desenvolvimento que continuem no rumo das reformas administrativas e econômicas. "Os países emergentes já admitiram que eles são os principais responsáveis por seu próprio desenvolvimento", disse Annan em discurso no encerramento da reunião ministerial do G-77, grupo que reúne 132 países em desenvolvimento criado com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, que realiza sua 11ª edição em São Paulo a partir de segunda-feira.O secretário-geral da ONU admitiu que as nações em desenvolvimento sofrem com a falta de acesso a mercados dos países desenvolvidos e com outros desequilíbrios e injustiças que os levaram a questionar o regime de comércio global. "Oportunidades de desenvolvimento precisam ser distribuídas com mais igualdade", disse Annan. Mas tanto os países desenvolvidos quanto os em desenvolvimento têm resposnsabilidades e precisam ser responsabilizados por essas injustiças. "Se um dia havia uma tendência de culpar uns aos outros, espero que hoje estejamos nos aproximando de uma era de compreensão mútua e cooperação".Annan ressaltou que a XI Unctad é uma oportunidade para os países em desenvolvimentos discutirem as incongruências entre o conjunto de forças de mercado, políticas nacionais e o desenvolvimento de regras internacionais que influenciam suas políticas de desenvolvimento. "E podem defender seu pleito pela redução do déficit democrático que limita a participação dos países em desenvolvimento nas decisões dos organismos internacionais mais importantes." Mas cada um dos países em desenvolvimento, disse Annan, "também tem de olhar para dentro e construir sobre os avanços já feitos em reformas administrativas e econômicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.