Annan pede fim das barreiras ao comércio na Unctad

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, pediu o fim das barreiras ao comércio impostas pelos países industrializados contra as nações em desenvolvimento, sobretudo no que se refere ao comércio agrícola. Em seu discurso de abertura da 11ª Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (Uncatd), Annan afirmou que apenas com o total acesso de produtos dos países mais pobres aos mercados mais desenvolvidos será possível alcançar coerência e justiça social."Os Estados Unidos e a Europa fizeram alguns progressos no que se refere a acesso a medicamentos. E os mecanismos de disputas comerciais, como a resolução da Organização Mundial do Comércio (OMC) favorável aos países em desenvolvimento no caso do algodão, mostram "que precisamos ter êxito na Rodada de Doha da OMC", afirmou Annan.O secretário da ONU referiu-se às negociações em curso na OMC, que opõe os países agrícolas e os países industrializados no que se refere a acesso a mercados, subsídios interno e externos à produção agrícola, práticas que dificultam o comércio agrícola dos países mais pobres.Annan reforçou ainda as idéias do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo as quais é preciso aproveitar as oportunidades para ampliação do comércio entre os países do Hemisfério Sul. Annan elogiou a iniciativa brasileira de lançar a terceira rodada de negociação do Sistema Geral de Preferências Comerciais (SGPC), durante a 11ª Unctad, e afirmou que se as tarifas comerciais recuarem entre os países em desenvolvimento 50%, como prevê o sistema, a medida gerará US$ 15,5 bilhões a mais de comércio. "A nova rodada do SGPC poderá ser um movimento decisivo para a nova geografia comercial global", finalizou.Ele confirmou que o mundo tem agora tudo o que precisa para melhorar a vida das populações mais pobres, como informação e tecnologia, além de consenso sobre as metas do milênio para redução da pobreza. Mas ressaltou que falta coerência, como é o caso das barreiras aos produtos agrícolas dos países mais pobres aos mercados das nações desenvolvidas. ?As políticas não podem dar uma mão e tirar com a outra. Precisamos eliminar as barreiras", reiterou.HomenagemKofi Annan pediu um minuto de silêncio pela memória do brasileiro Sérgio Vieira de Melo, representante da ONU em Bagdá, e que morreu num atentado contra as instalações da entidade na cidade iraquiana no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.