Efe
Efe

Ano da Alemanha no Brasil tem extensa agenda empresarial e cultural

Intercâmbio comercial bilateral triplicou na última década chegando a 21,5 bilhões no ano passado

13 de maio de 2013 | 10h12

SÃO PAULO - O presidente da Alemanha, Joachim Gauck, já está no Brasil para a abertura do ano Alemanha + Brasil 2013-2014. Depois de passar pela Colômbia, ele chegou a São Paulo para participar nesta segunda-feira, 13, da abertura,  ao lado da presidente Dilma Rousseff, do 31º Encontro Econômico Brasil-Alemanha.

O encontro empresarial é organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Confederação da Indústria Alemã (BDI). Na terça-feira, o chefe de Estado alemão segue para o Rio de Janeiro.

De acordo com o Itamaraty, os dois presidentes devem discutir a ampliação do fluxo bilateral de comércio e investimentos, o fortalecimento dos laços entre pequenas e médias empresas brasileiras e alemãs, as iniciativas de cooperação em ciência, tecnologia e informação e o apoio alemão ao Programa Ciência sem Fronteiras.

Gauck e Dilma ainda devem discutir as negociações comerciais entre o Mercosul e a União Europeia e a crise financeira internacional.

Na pauta das conversas também estão parcerias na área de energias renováveis e a participação do Brasil como país homenageado da Feira do Livro de Frankfurt de 2013. Ainda na segunda-feira, Gauck deve comparecer a um concerto com músicos brasileiros e alemães no Teatro Municipal de São Paulo.

Gauck chega acompanhado de uma comitiva de representantes do setor econômico, além de especialistas em diversas áreas como meio ambiente, engenharia civil, mecânica, tecnologia médica.

O Brasil é o maior parceiro comercial da Alemanha na América Latina. Só em São Paulo existem mais de 800 empresas alemãs. O intercâmbio comercial bilateral triplicou na última década, chegando a 21,5 bilhões de reais em 2012.O montante representa 22% do fluxo comercial do Brasil com a União Europeia.

No Rio de Janeiro, o presidente alemão visitará a favela Dona Marta, pacificada em 2008. Ex-pastor luterano, Gauck ainda visitará um dos mais famosos cartões-postais do mundo: a estátua do Cristo Redentor. Também está agendado um encontro com integrantes da Comissão da Verdade, que investiga casos de torturas e violações de direitos humanos no período da ditadura (1964-1985) no Brasil. Gauck era ativista pelos direitos civis na antiga Alemanha Oriental.

A primeira visita do presidente alemão à América Latina desde que tomou posse, em março do ano passado, começou pela Colômbia, onde também tratou do tema dos direitos humanos e negociações de paz entre o governo em Bogotá e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O Ano da Alemanha no Brasil vai mostrar aos brasileiros os mais diversos aspectos da Alemanha. A maratona de eventos de Norte a Sul do País apresenta a cultura, a economia, a tecnologia e a política da Alemanha moderna. Objetivo é que iniciativas prossigam mesmo após 2014.

Tudo o que sabemos sobre:
alemanhaintercâmbiobilateral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.