ANP descobre mais óleo no poço Franco

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) anunciou ontem uma segunda descoberta no poço Franco, que perfura com o objetivo de encontrar as reservas que poderão ser usadas na capitalização da Petrobrás.

Nicola Pamplona, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2010 | 00h00

Encontrado a 5,4 mil metros, abaixo da camada de sal, o óleo tem características semelhantes ao de Tupi. A perfuração do poço continua, até a profundidade de 6,4 mil metros.

O poço está sendo perfurado em parceria entre a ANP e a Petrobrás e já havia sido encontrada uma acumulação de petróleo no início de março. Na ocasião, porém, não houve comunicado oficial. O diretor de exploração e produção da Petrobrás, Guilherme Estrella, disse à época que os resultados do trabalho eram muito animadores.

A ideia é encontrar os cinco bilhões de barris de petróleo que poderão ser vendidos à Petrobrás pela União, como prevê o projeto de lei do pré-sal. Chamada de cessão onerosa, a venda tem como objetivo arrecadar recursos para que a União compre novas ações da estatal, dentro do processo de capitalização da companhia, tema de outro projeto de lei.

O mercado, porém, tem dúvidas sobre a viabilidade da operação, diante de dificuldades políticas e técnicas. No primeiro caso, a análise dos projetos pelo Congresso vem demorando mais do que o esperado e pode ser inviabilizado diante da proximidade com o período eleitoral. Todos os projetos propostos pelo Executivo estão hoje no Senado.

Já na parte técnica, a ANP só terá condições de receber uma avaliação independente das reservas a partir do fim de agosto, segundo prazos previstos na resolução que aprovou a contratação de uma empresa especializada. As propostas serão entregues no dia 27 de maio, com prazo de 90 dias para conclusão do trabalho.

A Petrobrás esperava realizar a capitalização ainda no primeiro semestre. Anteontem, o governo editou MP com mudanças na gestão de ações de estatal que pode agilizar o processo, caso o Congresso dificulte a votação dos projetos de lei. A MP 487/10 abre uma série de alternativas para gestão de ações de estatais pelo Tesouro.

"A medida parece que está diretamente relacionada com o processo de capitalização da Petrobrás, de forma a dar execução ao processo, mesmo que os projetos originais não sejam aprovados pelo Senado Federal", comentou a analista Mônica Araújo, da Corretora Ativa, em relatório enviado a seus clientes.

Procurada, a Petrobrás não se manifestou sobre o assunto.

PARA LEMBRAR

Primeira descoberta foi em março

No dia 2 de março, início da votação, pela Câmara dos Deputados, do processo de capitalização da Petrobrás, a ANP comunicou a primeira descoberta de petróleo no poço de Franco. A jazida - encontrada menos de três meses depois do início da perfuração - está localizada a nordeste de Iara, descoberta do pré-sal da Bacia de Santos com reservas estimadas em 3 a 4 bilhões de barris de petróleo e gás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.