ANP divulga balanço de monitoramento

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgou o primeiro monitoramento de preços de álcool e gasolina, realizado em 4.010 postos de 60 cidades do país. Vários postos foram autuados porque não apresentaram nota fiscal, como era exigido pelos fiscais que representavam a ANP e poderão vir a ser multados. "A multa pode começar em R$ 20 mil", disse Luiz Augusto Horta, diretor da ANP.Foram pesquisados 372 postos na capital paulista, no Centro e nas Zonas Sul, Oeste, Leste e Norte. A maioria, segundo o diretor da ANP, está cobrando margens abaixo dos R$ 0,15 acertados em um acordo pelo governo, com os representantes de distribuidoras e postos há duas semanas. No entanto, os números divulgados pela agência reguladora mostram que dos 372 postos da capital paulista, 246 (66%) negaram-se a prestar informações sobre sua margem de lucro para ANP, sem apresentar a nota fiscal.Alguns funcionários de postos alegavam que os gerentes ou os donos não estavam, e que, por isso, não sabiam onde estavam as notas fiscais. Mas a ANP autuou todos os postos que não apresentaram a documentação completa. Dos 126 postos que responderam qual era sua margem na revenda, 80 tinham lucro acima de R$ 0,15.Gasolina mais cara de SP está na avenida Santo AmaroO preço médio do litro da gasolina entre as regiões da cidade de São Paulo variou de R$ 1,433, na Zona Norte, a R$ 1,485, na Zona Oeste. O preço mais elevado do litro da gasolina, de R$1,699, segundo o levantamento da ANP, foi encontrado no posto Calendário, da BR Distribuidora, na Av.Santo Amaro, Zona Sul da cidade.E o litro pesquisado mais barato, de R$ 1,330, foi encontrado em seis postos distribuídos nas Zonas Norte (Posto Souza, da BR, na Rua Voluntários da Pátria), Leste (Superposto São Paulo, da Texado, na Avenida Cangaíba; Amazonas Autoposto, da Shell, na Av. São Miguel e o Posto Rodantes, sem bandeira, na Av. Dom João Nery) , e Sul (Autoposto Rone, da Shell, na Av. Nossa Senhora do Sabará e Centro Automotivo Truck Car, sem bandeira, na Av. Washington Luís).A pesquisa da ANP pode ser consultada na página da agência na Internet (veja no link abaixo), clicando em levantamento de preços ou pelo telefone 0-800-900 267. O monitoramento está apenas começando: o levantamento de todos os postos só estará pronto em um mês. A fiscalização foi feita através da empresa Alternativa Consultoria, Planejamento e Pesquisa de Mercado, sem licitação, o que está sendo fiscalizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.