ANP já havia antecipado descobertas de petróleo

Declarações do diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Haroldo Lima, provocaram polêmica no mercado e conflitos com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em abril deste ano. Antecipando-se à Petrobras, Lima afirmou que as reservas batizadas de Carioca, na Bacia de Santos, teriam em torno dos 33 bilhões de barris de petróleo, o que fez com que as ações da estatal se valorizassem na Bovespa. Na época, a Petrobras negou a informação, alegando não ter dados conclusivos sobre o projeto.A CVM, por meio de comunicado, considerou que as declarações de Lima eram prejudiciais. ?Esse tipo de comunicação de fatos relevantes deve ser feita exclusivamente pela companhia, utilizando os canais oficiais com a CVM e o mercado, garantindo, assim, o acesso simultâneo e amplo à notícia?, comentou a CVM, na época.Lima, por sua vez, defendeu-se. ?A CVM deve fiscalizar empresários e acionistas e eu não sou nem empresário e nem acionista. Estava fazendo apenas uma palestra técnica?, declarou, na ocasião, ao sair de uma audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado que discutiu a legislação sobre o pagamento de royalties do petróleo.As declarações de Lima sobre as reservas de Carioca foram feitas durante um seminário sobre petróleo promovido pela Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro.O diretor de exploração e produção da Petrobras, Guilherme Estrella, contou que a plataforma que estava perfurando em Carioca teve de ser retirada às pressas para perfurar um poço em outro bloco na Bacia de Santos, também na região do pré-sal. A Petrobras corre contra o tempo para descobrir reservatórios em todas as concessões da região, por causa do fim dos prazos exploratórios, entre o final deste ano e o início do próximo. Por isso, a empresa tem optado por não realizar longos testes de reservatório. O poço de Carioca mostrou indícios de petróleo ainda em março. Atualmente, a Petrobras perfura em outros três projetos da região: BM-S-9, BM-S-11, BM-S-12. Em entrevista, anteontem, Estrella disse que é prematura qualquer avaliação do potencial das reservas na região.O único projeto que teve testes de reservatório foi Tupi, onde a empresa identificou a existência de cinco a oito bilhões de barris de petróleo.Um especialista do setor afirmou que os anúncios de descobertas se tornarão cada vez mais freqüentes porque a Petrobras e seus parceiros iniciaram uma extensa campanha de perfuração de poços onde identificaram potencial de reservas de óleo.

NICOLA PAMPLONA, Agencia Estado

13 de junho de 2008 | 07h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.