Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

ANP: mercado informal de álcool é de 1,2 bi de litros

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) estima que o mercado informal de álcool no Brasil movimenta cerca de 1,2 bilhão de litros por ano. O número foi divulgado hoje pelo superintendente da agência reguladora, Edson Silva, em seminário organizado pela instituição para apresentar os dados do mercado de combustíveis em 2007. Para chegar a esses números a ANP faz um confronto entre os dados informados pelas distribuidoras de combustíveis à agência reguladora e os números informados pelas usinas produtoras de álcool informados ao Ministério da Agricultura.A maior diferença, segundo Silva, está no segmento de álcool hidratado, que é o combustível vendido diretamente ao consumidor. Os dados do Ministério da Agricultura indicam a produção de 10,366 bilhões de litros em 2007, 1,1 bilhão de litros acima do informado pelas distribuidoras à ANP, o que corresponde a uma diferença de 12% entre os dois dados. Para os técnicos da ANP, isso indica um avanço considerável em relação ao observado em 2000, quando a diferença chegava a 27%. Naquele ano, o total informado pelas usinas ao Ministério da Agricultura totalizava 5,833 bilhões de litros e as distribuidoras informaram ter vendido 4,604 bilhões de litros de álcool hidratado. No segmento de álcool anidro (misturado à gasolina), a diferença está em torno de 100 milhões de litros ao ano, estima a ANP.A agência espera reduzir o mercado informal de álcool gradualmente, o que deverá resultar em melhor qualidade do combustível vendido ao consumidor e maior arrecadação de impostos, acrescentaram os técnicos. Para isso, desde 2006 as usinas produtoras de álcool estão tendo de encaminhar à ANP a produção efetiva de cada unidade. Em 2006, 341 usinas informaram a sua produção de álcool à agência e no ano passado já havia 356 usinas. "Os dados do ano passado indicam uma melhora sensível nesse segmento, mas ainda precisamos de mais", acrescentou Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.