ANP quer começar a perfurar no pré-sal ainda este ano

Exploração será feita em áreas da Bacia de Santos, que serão usadas pela União no processo de capitalização

Nicola Pamplona, da Agência Estado,

10 de setembro de 2009 | 13h34

A Petrobrás e Agência Nacional do Petróleo (ANP) esperam iniciar ainda este ano a exploração de áreas não concedidas no pré-sal da Bacia de Santos, que serão usadas pela União no processo de capitalização da estatal. A ideia é perfurar o primeiro poço ainda em 2009, utilizando uma sonda hoje contratada pela Petrobrás. A definição do local está a cargo de um grupo técnico montado com representantes das duas partes.

 

Veja também:

linkLula retira regime de urgência de projetos do pré-sal

especialO novo marco regulatório do petróleo

especialO caminho até o pré-sal

especialMapa da exploração de petróleo e gás 

 

Será o primeiro poço marítimo perfurado pela ANP desde sua criação, em 1998. A agência foi autorizada pelo governo a aprofundar o conhecimento das áreas do pré-sal que serão licitadas segundo o novo modelo do setor. Neste primeiro momento, porém, o foco deve ser a delimitação dos 5 bilhões de barris que serão vendidos pelo governo à Petrobrás no processo de capitalização da companhia.

 

"Dependendo da qualidade do quadro sísmico, acho que até o final do ano a gente tem que já ter alguma ideia de locais preferenciais (para perfuração)", afirmou o diretor de exploração e produção da Petrobrás, Guilherme Estrella, que evitou comentar onde os poços serão perfurados. Ele disse apenas que há uma corrida contra o tempo para avaliação das áreas, uma vez que a estatal terá que negociar unitização em quase todas as reservas da região.

 

A ANP confirmou ao Estado que a ideia é iniciar os poços ainda este ano, mas disse que ainda não há definição sobre o local. Segundo Estrella, serão usadas duas sondas de perfuração hoje contratadas pela Petrobrás. "A ideia é, definidos esses locais preferenciais, deslocarmos essas sondas, que já estão ali na região do pré-sal, para atender a ANP", contou o executivo, completando que quem pagará a operação será a própria agência.

 

Estrella evitou comentar a possibilidade de o primeiro poço ser perfurado no entorno de Iara, cujo reservatório se estende para além dos limites da concessão e, segundo o mercado, pode ser usado no processo de capitalização. Outra possibilidade, segundo analistas, é a descoberta de Guará, que também excede os limites concedidos. As duas, juntas, têm potencial de até 6 bilhões de barris de petróleo.

Tudo o que sabemos sobre:
pré-salANP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.