Daniel Teixeira/ Estadão
Daniel Teixeira/ Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

ANP diz que vai punir posto que fizer reajuste abusivo de preço

Reportagem do Estado percorreu 11 postos visitados pela agência na quinta-feira, 12, e em apenas um deles o preço estava maior que na semana passada

Cristian Favaro e Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2019 | 18h15

Postos de combustíveis que fizerem reajustes abusivos de preços na esteira da crise do petróleo poderão ser punidos, informou nesta terça-feira, 17, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Em nota, a agência disse que faz uma pesquisa semanal de preços e fiscalizações no mercado de combustíveis. “Diante de preços abusivos, a ANP atua em conjunto com os Procons para penalizar os infratores”, disse, em nota.

Com base na pesquisa semanal de preços da ANP, a reportagem do Estado escolheu 11 postos de combustíveis da capital paulista cujos preços foram coletados na data mais recente, dia 12 setembro, a última quinta-feira. De 11 postos visitados, em apenas um o preço da gasolina comum estava maior do que o apontado pela pesquisa da ANP da última quinta-feira.

De acordo com o levantamento da ANP, o litro da gasolina vendida no posto Serviços Automotivos Girassol, da bandeira Shell, localizado no bairro do Itaim Bibi, custava R$ 4,399 na quinta-feira passada. Ontem, o litro da gasolina saía por R$ 4,999, um reajuste de 13,6%. O gerente do posto, Antonio Nascimento, no entanto, afirma que o preço da gasolina não foi reajustado recentemente. “Esse preço está nesse valor faz muito tempo”, disse, sem especificar a data do último aumento.

José Alberto Paiva Gouveia, presidente do Sincopetro, sindicato que representa 8,5 mil postos de combustíveis no Estado de São Paulo, disse que até o momento não existe nenhum movimento dos donos de postos de gasolina no sentido de aumentar preços. Ele ressaltou que não há motivos para isso, lembrando que a Petrobrás não reajustou preço do petróleo e que a companhia informou que não irá mexer nas cotações. Meesmo assim, ele lembra que os preços dos combustíveis são livres.

Reajustar preços, porém, poderia enfraquecer ainda mais as vendas. Segundo o presidente do Sincopetro, o movimento no varejo do setor está fraco. “Hoje, entre 60% e 65% do combustível vendido no posto é etanol.” Atualmente, o preço do litro de etanol equivale a 60% do valor pago pela gasolina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.