ANP:áreas comerciáveis de petróleo caem para 14 em 2007

A um dia do prazo final para a entrega das declarações de comercialidade de novos campos de petróleo e gás no País, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) soma hoje apenas 14 documentos referentes a áreas nas bacias de Campos, Espírito Santos, Alagoas, Potiguar, Recôncavo e Camamu, ante 32 declarações feitas até 29 de dezembro de 2006. A maior parte dos informativos sobre novas reservas este ano também são menos significativos do que no ano passado. A expectativa é de que até amanhã a Petrobras informe à ANP novas áreas comercialmente possíveis de serem exploradas.A principal declaração de comercialidade este ano foi a que se refere ao campo de Xerelete, na Bacia de Campos, onde foram identificadas reservas potenciais de 1,4 bilhão de barris de óleo equivalente (boe), dos quais entre 280 milhões e 420 milhões podem ser recuperados. O campo de Xerelete é operado pela Petrobras com participação das companhias francesa Total (41,18%), e americana Devon, (17,65%).Das 14 declarações de comercialidade entregues à ANP, a Petrobras responde por 11 delas, sendo que, destas, quatro documentos são referentes ao campo de Guanambi, uma pequena reserva terrestre na Bacia do Recôncavo, outros quatro ao campo de Biguá, também em área terrestre e de pouco potencial na Bacia do Espírito Santo, e duas no campo de Cancã, também em terra capixaba.Outra declaração de grande porte refere-se ao campo de Peregrino, na Bacia de Campos, já com previsão de começar a operar em 2009. O campo é operado pela StatoilNorskHydro, com participação de 50% da norueguesa Anadarko. A unidade deverá produzir 100 mil barris por dia.Além desta área, há ainda identificação do campo de Camarão, da americana El Paso, na Bacia de Camamu, na Bahia, ainda sem informações sobre reserva e produção, e o campo terrestre de Pardal, na Bacia Potiguar, também sem detalhamento, que esteve nas mãos da americana Dover, mas teve que ser integrado às reservas do campo de Lorena, da Petrobras, que está localizado ao lado e teve a descoberta de uma reserva contínua em toda a sua área de extensão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.