ANS anuncia reajuste de até 7,12% em planos de saúde

O índice fixado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é o menor desde 2005

CLARISSA THOMÉ, Agencia Estado

02 de julho de 2008 | 21h13

Os planos de saúde individuais antigos, aqueles contratados antes de janeiro de 1999, serão reajustados em até 7,12%. O índice fixado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é o menor desde 2005. O reajuste entra em vigor na data de aniversário dos contratos e atinge 527 mil beneficiários, que correspondem a 1,07% das 49,3 milhões de pessoas que têm saúde privada.O índice fixado pela ANS vale para planos antigos das seguradoras especializadas em saúde, que assinaram termo de compromisso com a agência - Bradesco Saúde, Sul América e Itauseg. Nos anos anteriores, esses planos foram reajustados em 9,94% (2007), 11,57% (2006) e 15,67% (2005). Os planos de saúde empresariais, que correspondem a 74% do mercado, são reajustados por livre negociação. A ANS ainda não concluiu os estudos sobre o reajuste dos planos individuais antigos das operadoras de medicina de grupo que assinaram termos de compromisso (Amil e Golden Cross).   Para calcular o reajuste, a ANS analisa seis itens da Variação dos Custos Médico-Hospitalares das operadoras com mais de 100 mil beneficiários. (consultas, exames, terapias, internações, atendimentos ambulatoriais e despesas assistenciais). As planilhas dos custos das operadoras de medicina de grupo ainda estão sob análise.   Em 2004, a ANS questionou os reajustes, que chegavam a 80%, praticados pelas seguradoras Bradesco Saúde, Sul América e Itaúseg Saúde e pelas operadoras de medicina de grupo Amil e Golden Cross , depois que uma Ação Direta de Inconstitucionalidade retirou da agência a prerrogativa de conceder autorização prévia dos reajustes de contratos antigos, na forma como vinha praticando desde 1999. O questionamento levou as empresas a assinarem um termo de compromisso, no qual se comprometeram a submeter os reajustes à regulação da ANS. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.