ANS divulga lista de planos de saúde irregulares

Uma lista divulgada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) revela que 174 operadoras de planos de saúde do País estão com os dias contados. Todas informaram endereços inválidos ao órgão regulador, que vai concluir o processo de cancelamento do registro provisório de funcionamento até o dia 5 de abril. No Estado de São Paulo, a medida deve atingir 52 empresas, sendo 22 na capital.Diretor de Normas e Habilitação das Operadoras, Alfredo Cardoso explicou que o cancelamento foi decidido após diversas tentativas de contato feitas pela ANS, todas frustradas. "As correspondências retornavam sempre. Decidimos, então, publicar comunicados à praça, nos principais jornais do País, pedindo que as operadoras, ou seus beneficiários e prestadores de serviço, nos procurassem", disse. Até agora, porém, a ANS recebeu apenas um retorno, de uma usuária de um plano de saúde clandestino.Além de empresas atuando de forma ilegal no mercado, o órgão regulador levanta outras hipóteses para os endereços inválidos. Operadoras podem ter fechado as portas e outras, nem sequer começado a funcionar, embora tenham solicitado o registro. "Só não cancelamos ainda em respeito aos possíveis consumidores. Vamos dar mais alguns dias para que eles entrem em contato conosco, pois precisamos dar uma alternativa de assistência, como a transferência de carteira, já que as empresas em situação irregular perderão o registro".Além dos 174 registros cancelados em abril, 144 empresas perderam, no fim do ano passado, o direito de permanecer no mercado. Elas descumpriram uma determinação da ANS, deixando de apresentar a documentação necessária para manter a autorização de funcionamento. Mais uma vez, São Paulo, por ter o maior número de operadoras do País, foi o Estado com o maior número de baixas: 40 operadoras deixaram de enviar os dados requisitados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.