ANS encerra intervenção na Unimed Volta Redonda

A Unimed de Volta Redonda adotou as medidas técnicas exigidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e conseguiu reverter a difícil situação econômico-financeira em que se encontrava no ano passado. De acordo com um comunicado da ANS, a operadora conseguiu reestruturar o seu equilíbrio patrimonial e passou a atuar em conformidade com todas as normas estabelecidas pela Agência. A Unimed Volta Redonda estava sob direção fiscal desde o dia 5 de junho de 2001.A direção fiscal é uma ação preventiva da ANS para acompanhar a gestão das operadoras em dificuldades e, ao indicar as medidas para reverter o eventual quadro de instabilidade econômico-financeira e garantir o atendimento correto aos consumidores de planos de saúde. O diretor-presidente da ANS, Januário Montone destaca que a operadora não está mais sob intervenção. "A Unimed Volta Redonda seguiu à risca as orientações técnicas da Agência e, agora, volta à normalidade", afirmou. Segundo a assessoria de imprensa da ANS, a Agência resolveu encerrar a direção fiscal na Unimed Volta Redonda após avaliar as demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2001. De acordo com a ANS, as demonstrações financeiras comprovaram que os ajustes técnicos, propostos pela Agência e adotados pela direção da cooperativa, eliminaram as inconsistências e reverteram a situação do passivo a descoberto.A Unimed Volta Redonda também comprovou, segundo a ANS, em sua previsão orçamentária, que realizou provisão para os tributos que está discutindo judicialmente e a reversão, sob forma de aporte de capital, dos valores de obrigações da cooperativa, retidos e registrados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.