bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

ANS multa 15 operadoras por irregularidades

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mandou publicar no Diário Oficial da União, do dia 28 de fevereiro, o resultado de 57 processos administrativos envolvendo a apuração de irregularidades em 15 diferentes seguradoras e operadoras de planos de saúde. Os processos resultaram num total de R$ 340 mil em multas. As empresas foram autuadas devido à falta de registros prévios obrigatórios junto à ANS, por não oferecerem agravo aos seus usuários portadores de doença ou lesão preexistente, e também devido a reajustes indevidos de mensalidades.Segundo levantamento realizado pela Capitólio Consulting, empresa de consultoria especializada em planos de saúde, as operadoras autuadas foram: Amil, AMIVIDA, Bradesco Saúde (2 processos), Clínico Novo Hamburgo, Hapvida (8 processos), Health Life, Plano de Saúde Santanense, Pró-Saúde, Triple Card Assistance (2 processos), Unimed Belém (16 processos), Unimed de São Paulo (18 processos) , Unimed Foz do Iguaçu, Unimed João Pessoa (2 processos), Unimed Macapá e Unimed Nova Iguaçu.De acordo com a Capitólio Consulting, várias multas foram aplicadas pelo fato de as empresas não possuírem os registros prévios obrigatórios junto à ANS. Estes foram os casos dos processos contra a AMIVIDA (multa de R$ 80 mil), da Health Life (multa de R$ 60 mil), do Plano de Saúde Santanense (multa de R$ 10 mil) e da Triple Card Assistance (multa de R$ 20 mil).UnimilitânciaA ANS aplicou multas para empresas Unimed de Foz de Iguaçu (R$ 15,7 mil) e Unimed Macapá (R$ 26,2 mil), pelo fato de imporem aos seus médicos cooperados o exercício da unimilitância, ou seja proibirem esses médicos de atenderam os usuários de outros planos de saúde. Segundo a Capitólio, a ANS está impondo as multas e denunciando tal prática ao Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência - CADE, à Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça e à Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda.A Bradesco Saúde e Assistência recebeu uma multa de R$ 10 mil, pelo não oferecimento de agravo aos seus usuários portadores de doença ou lesão preexistente, como alternativa à cobertura parcial temporária, e a Unimed Nova Iguaçu foi multada em R$ 21 mil, devido ao reajuste de contraprestação pecuniária por variação de custo, sem autorização prévia da ANS.Empresas podem recorrerSegundo a assessoria de imprensa da ANS, todos os processos publicados continuam em andamento e as operadoras envolvidas poderão recorrer da decisão na Justiça. A ANS não comentará nenhum dos casos antes de seu encerramento judicial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.