Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

'Antes, só comia filé mignon'

O consultor de marketing Igor Rodrigues, de 39 anos, casado e que acaba de ser pai de gêmeos, mudou radicalmente o seu padrão de vida por causa da crise. "Antes, eu só comia filé mignon. Agora é coxão duro cozido na panela de pressão que, com um bom tempero, fica bem macio."

O Estado de S.Paulo

31 Maio 2015 | 02h03

Ele conta que até o ano passado costumava viajar para Paris todas as férias. Mas, neste ano, a família não vai viajar. "Se o dólar não estivesse tão alto, eu iria para o exterior", diz o consultor, ponderando que os bebês não são impedimento para viagens longas.

Mas o dólar nas alturas também afetou as compras de itens supérfluos. Os vinhos importados, por exemplo, foram substituídos pelos nacionais.

O último corte de despesa ocorreu na semana passada, quando ele demitiu a empregada. "Tive queda na renda e estou cauteloso", explica o consultor. Como a empresa na qual ele trabalha presta muitos serviços para o governo, com o contingenciamento de gastos de publicidade, a sua receita caiu. "Neste mês recebi um quarto do que recebia no passado", conta. A projeção de Rodrigues é que os tempos bicudos durem por mais seis meses. / M.C.

Mais conteúdo sobre:
economia inflação consumo renda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.