Antonio Ermírio defende novo imposto para a saúde

O empresário Antonio Ermírio de Moraes defendeu a criação de um novo imposto que substitua a CPMF, para não permitir que a saúde tenha prejuízo. "Seria preciso um imposto que permita mais recursos para a saúde. Um País que está se desenvolvendo não pode ter uma saúde pobre, com pessoas necessitando de médicos, muita gente doente. Temos que mudar isto, com um novo imposto, mesmo Lula tenha achado ruim com o ministro Mantega. Acho que é só uma declaração política, e o novo imposto deve vir aí".O empresário disse que a idéia original do médico Adib Jatene, quando criou a CPMF, foi para que ela se destinasse somente para a saúde, nada mais. "Mas não foi isso que aconteceu depois. Se não melhorarmos o atendimento à saúde, é algo que pode significar a própria derrota da nação brasileira. O novo imposto deve ter a duração de alguns anos, para que de fato solidifique um tratamento eficaz para a saúde no País."Quanto aos demais recursos que hoje vão para a saúde, Antonio Ermírio defendeu que eles podem ser direcionados para a educação. "Educação e saúde é o binômio número um para o País. Entendo que um novo imposto, com o Brasil em crescimento, o que deverá se repetir em 2008, a arrecadação para a saúde seria superior a R$ 40 bilhões, sem dúvida alguma", disse o empresário, que preside o Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo, além de ser o presidente do Conselho de Administração do Grupo Votorantim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.