Charles Platiau/Retuers - 16/5/2019
Charles Platiau/Retuers - 16/5/2019

R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Anunciante do Google terá de se identificar

Medida faz parte de esforço da gigante de tecnologia para evitar disseminação de notícias falsas por meio de publicidade online

The New York Times

27 de abril de 2020 | 04h00

Em um esforço para combater os anúncios fraudulentos na internet, o Google vai exigir que todos os anunciantes apresentem comprovação de quem são e onde operam. Os nomes das empresas ou indivíduos por trás dos anúncios, bem como seus países de origem, passarão a ser exibidos nos anúncios do Google em meados do ano. O esforço começará com milhares de assinantes nos Estados Unidos antes de ser expandido para todo o mundo.

A medida, que pode levar anos para ser implementada, foi pensada como defesa contra empresas e indivíduos que ocultam sua identidade em promoções online pagas, disse o Google. A decisão vem em um momento em que o Google tenta conter as informações falsas e fraudes ligadas à pandemia do coronavírus. Expande uma política de verificação de 2018 voltada para anúncios políticos ligados a eleições.

A ampliação dessa política vai “ajudar a defender a saúde do ecossistema de publicidade digital ao detectar os participantes mal intencionados e limitar suas tentativas de se apresentarem como legítimos”, escreveu John Canfield, executivo que cuida da integridade de anúncios para o Google, no blog corporativo da empresa.

No passado, o Google citou o comportamento predatório de empresas que oferecem empréstimos consignados, serviços de pagamento de fiança e suporte técnico terceirizado, frequentemente vetando anúncios diretamente. Em setembro, o Google disse ter derrubado mais de 3,2 bilhões de anúncios que violavam suas políticas de publicidade em um ano, ou mais de cem anúncios maliciosos por segundo.

De acordo com a nova política, o Google vai suspender as contas de anunciantes que não apresentarem comprovação de identidade, incluindo formulários W9, passaportes e outras formas de identificação pessoal e de pessoa jurídica. Anteriormente, o Google solicitava informações básicas, mas não exigia documentação.

“Quem é contra uma internet mais verdadeira, especialmente com a ascensão das notícias falsas, empresas falsas e máscaras falsas?”, disse Douglas Rozen, diretor de mídia da agência de publicidade digital 360i. “A inevitabilidade de tudo isso faz sentido no ambiente atual.”

Enquanto as autoridades tentam reagir às alegações não confirmadas de tratamentos contra o coronavírus, as centrais de robôs e usuários abusivos se preparam para influenciar a eleição de 2020. Isso fez as empresas de tecnologia reforçarem suas defesas. Neste mês o Reddit atualizou suas políticas para anúncios políticos, exigindo identificação dos clientes.

O Google intensificou os esforços de limpeza dos anúncios depois de descobrir que sites espalhando informações falsas a respeito da eleição presidencial de 2016 lucravam com a venda de anúncios por meio das redes de publicidade da empresa.

No fim de 2016, o Google expulsou centenas de criadores de conteúdo do seu sistema de publicidade AdSense. Dois anos mais tarde, exigiu que anunciantes políticos confirmassem sua identidade. A decisão ocorreu depois que o Google revelou ao congresso americano ter aceitado quase US$ 5 mil em publicidade durante o período eleitoral por parte da Internet Research Agency, empresa russa acusada de interferir na disputa.

Vigilância imperfeita

Apesar de o Google dizer que vinha flagrando diariamente milhões de anúncios problemáticos ligados ao coronavírus, suas redes ainda deixam passar muitos outros desse tipo. Consultor de marketing digital, Jared Moré, que trabalhou com empresas da área de saúde por quase 20 anos, disse ter visto numerosos exemplos de comportamento questionável na publicidade digital, até mesmo de anunciantes que prometiam tratamentos contra o alcoolismo.

Moré frisou que a expansão do processo de verificação é um passo necessário. “É algo que não deve incomodar 99% dos anunciantes. A dificuldade só existe para aqueles que tentam burlar alguma parte do sistema.” / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.