Anvisa interdita remédios com desvio de qualidade

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou hoje três medicamentos com problemas na linha de produção. Um dos produtos com problema é o Bicarbonato de Sódio 8,4%, lote nº 404, fabricado pelo laboratório goiano Halex Istar. De acordo com a Agência, as amostras da ampola do medicamento foram analisadas pelo laboratório Noel Nutels que constatou ph de 9,5, quando a variação permitida é de 7 a 8,5. Outro produto da indústria Halex Istar, Solução Isotônica de Glicose 5%, lote nº 137/09 também está irregular. Segundo a Anvisa, o laudo do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) detectou que a ampola do referido lote apresenta um elemento estranho. A Anvisa também interditou o lote nº 9912636 do Carbonato de Lítio 300 mg, da empresa Igefarma de São Bernardo do Campo (SP). De acordo com a Agência, o medicamento foi avaliado pela Fundação Ezequiel Dias, localizada em Belo Horizonte (MG), que constatou que o comprimido estava com aspecto quebradiço e a sua desintegração no organismo ultrapassou o limite de 30 minutos. Os problemas nos medicamentos foram identificados pelo trabalho de rotina das vigilâncias sanitárias do Rio de Janeiro, Uberlândia e Paraná. A Anvisa informa que a interdição é válida por 90 dias, período em que os fabricantes têm direito a uma contra-prova dos laudos oficiais. Empresas e pontos de venda que descumprirem as resoluções poderão ser notificadas e multadas entre R$ 2 mil e R$ 1,5 milhão, conforme a Lei nº 6.437/77.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.